27 novembro, 2014

Se Cristo não converte, o gospel convence

Por Antognoni Misael

John Lennon quando no auge da fama dos Beatles deu a infeliz declaração de que eles naquele momento eram mais famosos do que Jesus. Apesar de tentar se retratar, Lennon em parte disse uma verdade: a beatlemania atraia e fascinava mais aquela juventude europeia e norte-americana do que grande parte das igrejas que professavam a Cristo!

Ligado a esse fato, no atual momento em que vivemos no Brasil, eu diria que não mais os Beatles, mas sim o gospel, anda mais famoso que Jesus! Destarte, se Lennon estivesse vivo hoje, ele teria motivos para acusar a gospelmania como o atual movimento que fascina e atraí mais do que o Evangelho de Cristo. (Obviamente isso não significa que Cristo anda perdendo pro gospel; outrossim, significa, claro, que nem tudo é do gospel é de Cristo)

Perante o assombroso crescimento no número de evangélicos, e diante da desconfiada qualidade das conversões, temos uma séria reflexão a fazer: que tipo de Evangelho tem sido apresentado ao mundo por tais representantes da música dita gospel? Pois é, trazendo para o cerne da questão os artistas deste segmento e o mercado da fé que cada vez ganha mais espaço, poderia supor que... quando Cristo não converte, o gospel convence.

Isso se explica simplesmente com uma análise da indústria cultural da fé. Observe o que está mais em evidência e visibilidade: Cristo ou os Astros?

Lembremos que tempos atrás o cantor Latino declarou interesse em mudar para o gospel;
recentemente Naldo Benny chegou a ensaiar uma versão gospel, foi até "discipulado" por Thalles Roberto (mas ao que parece desistiu), e tantos outros famosos que vez por outra afirmam simpatizar com este segmento e serem desejosos de um dia participarem de um dia serem... “gospel”. Outro caso ocorreu um dia desses, o cantor Belo lançara seu mais novo álbum “Mistério” o qual contou com a participação do Thalleco, que gravou com ele a canção “Mesmo sem entender”.

A última que soube foi a da cantora Joelma da banda Calypson, que ontem gravou o DVD de 15 anos da banda e teve como convidada a Pastora Ludmila Ferber que participou com uma de suas canções.

Ou seja, Cristo parece alguém desconhecido no meio dos artistas seculares – note que tais astros se emocionam e choram ouvindo uma canção gospel, mas dificilmente choram e pranteiam por terem tido um encontro genuíno com Cristo(por que será?).

O evangelho que cobra arrependimento do pecador parece passar longe do “X da questão, pois o gospel, ao que se percebe, nem consegue fazer arte com excelência dialogando conceitos e princípios pertinentes na vida como um todo, nem consegue fazer música cristã autêntica com profundidade em suas letras. O X da questão chama-se MER-CA-DO!

É certo que alguém irá argumentar que os cantores gospel estão influenciando na música de tais cantores (como no caso do Belo e da Joelma) ao ponto de serem solicitados para gravação de CD's, DVD's e programas de TV. Eu realmente concordo com tal pensamento, e digo mais, o estilo gospel tem não só influenciado, mas atraído, encantado... Já, o Evangelho, como é um discurso duro de se ouvir, claro que não!

***

Arte de Chocar

NÓS SOMOS IGREJA E NÓS NÃO TEMOS UM MERCADO EM POTENCIAL


Não muito tempo atrás, um pastor me perguntou o que eu achava de fazer uma pesquisa na região em torno da igreja para descobrir o que os vizinhos esperavam de uma instituição religiosa. O objetivo muito claro deste pastor era simples, ainda que não explicito: saber o que seus clientes em potencial queriam, para que pudesse lhes oferecer um serviço sob medida, para que então eles passassem a consumir o produto dele e não mais o da concorrência.

A ideia não é apenas perversa, ela também claramente aponta uma falta de confiança em Deus de que Ele dará o crescimento quando e como Ele desejar, uma falta de maturidade espiritual pois, delega a pessoas que não conhecem a Cristo e não são nascidas no Espírito para dizer a igreja como ela deve agir; e por fim, uma falta de compromisso com a Palavra, buscando um compromisso profundo com o homem.

Minha opinião na época foi de que, ir ao cemitério ouvir os mortos, não é uma prática cristã protestante.

Quando Jeosafá, rei de Judá, juntou-se a Acabe, rei de Israel, para enfrentar Ramote de Gileade, pediu ao rei de Israel que a Palavra fosse consultada, então foram chamados 400 profetas de Israel, e todos foram unânimes: “Sobe, porque Deus a entregará na mão do rei”. Jeosafá pede ao rei de Israel que traga um profeta verdadeiro do Senhor, afinal, profetas não profetizam benção, conforme ensinou Jeremias, profetizam guerras e destruição, mal e peste, não paz (Jeremias 28.8). Acabe, contrariado com o tal profeta que “nunca profetiza de mim o que é bom, senão sempre o mal” (2 Crônicas 18.7) manda vir o profeta Micaías, e esta é sua profecia:

“Vi a todo o Israel disperso pelos montes, como ovelhas que não têm pastor; e disse o SENHOR: Estes não têm senhor; torne cada um em paz para sua casa.” (2 Crônicas 18.16)

Acabe rejeitando as palavras do profeta o manda ao cárcere, segue para a batalha e lá é morto por uma flecha lançada a esmo.

O que você pode esperar de uma igreja onde seu pastor consulta os mortos? O que você pode esperar de uma congregação onde os homens e não Deus dizem como as coisas devem ser feitas, o que deve ser pregado, como deve ser pregado e como deve ser prestado o culto a Deus?

O cristianismo obteve uma grande vitória no século XVI com a Reforma Protestante. A constante reforma pregada pelos primeiros reformadores “ecclesia reformata, semper reformanda secundo verbum Dei” (“A igreja reformada, sendo sempre reformada de acordo com a Palavra de Deus”) é abandonada por um adágio do catolicismo romano medieval “semper idem” (“Sempre o mesmo”).

Se homens morreram para que o Evangelho fosse pregado em sua constante renovação que só é possível pela atuação sobrenatural do Espírito Santo, os pastores contemporâneos, em uma confusão que chamam de “renovação” ou “avivamento”, buscam seu suporte “teológico” nos cemitérios do mundo para “renovar” e “avivar” suas pregações, as mantendo sempre como a mesma coisa, comida fria e insípida para pessoas que não tem condições nem mesmo de comer, pois estão mortas em seus pecados e delitos.

Não há exposição da Palavra nas igrejas, a pregação segue o ritmo de declínio moral e espiritual secular. Pastores estão preocupados com a reunião para jovens solteiros, jantar para os casais, pipoca com cinema para os adolescentes e esquecem que a sua preocupação deveria ser passar horas e mais horas debruçados sobre a Palavra de Deus para quem sabe, apenas quem sabe, compreender o que Deus tem para a sua igreja no próximo sermão a ser pregado. E então, renovados pela Palavra, a expor para os ouvintes que, pelo ouvir a Palavra de Deus recebessem a Fé necessária para a Salvação.
 
No entanto, os pregadores amoldam a Palavra de Deus para disseminar seus conhecimentos, a Palavra não muda suas pregações, elas são sempre as mesmas, suas mentes não mudam pela Palavra, são absolutamente “semper idem”. Versículos são usados para ilustrar um ponto de vista, não para renovar mentes. E quando ocorre alguma “renovação”, trata-se apenas de uma inovação secular no meio da igreja, trata-se de uma secularização do culto, uma “atualização” descabida da liturgia que tem como único objetivo dar mais conforto e interatividade a pessoas de outro século, de outra época... o que esquecem esses pastores, é que os pecados deles são mesmos de Adão.

Não precisamos fazer pesquisas no bairro e perguntar a pessoas que não conhecem a Deus o que elas esperam de Deus. Não precisamos promover eventos que atraiam as pessoas a igreja como peixes em um cercado, para que então lancemos uma rede de “bençãos” que os deixaram num emaranhado de promessas que nunca serão cumpridas, isto é no mínimo desonestidade, e se formos mais severos na aplicação da Palavra, é passível de morte os que tais coisas praticam. Precisamos sim lançar uma rede onde os fios são a própria Palavra de Deus, e os nós que os unem são a verdade, o arrependimento e a conversão.

O Evangelho ultrapassou dois mil anos em pleno crescimento sem nenhuma necessidade de inovação humana. Todas as inovações mostraram-se tempos mais tarde ser um fracasso, tanto que foram abandonadas e substituídas por outras que alguém julgou ser melhor... todas elas sem exceção mostraram que apenas uma pregação simples, mas centrada unicamente na Palavra, expondo-a dia após dia, geraram ovelhas saudáveis e sadias, que geraram mais ovelhas, e mais ovelhas...

Sola Scriptura. Soli Deo Gloria

Famílias são expulsas de aldeia por não negarem a Cristo

25 pessoas foram obrigadas a deixar todos os seus bens e seguirem sem rumo
Nas últimas semanas 25 pessoas foram expulsas de uma aldeia em Laos por não negarem a Cristo. O grupo faz parte da etnia Hmong e representam seis famílias que foram obrigadas a deixarem suas casas e tudo o que possuíam.
O motivo da expulsão é religioso, as autoridades locais não aceitaram a decisão das famílias de se tornarem cristãs e tentavam obrigá-las a negar a fé em Jesus e voltarem ao animismo, que é a religião da maioria da população da aldeia.
Laos ocupa a 21 ª posição na Classificação da Perseguição Religiosa organizada pelo ministério Portas Abertas. Nesse país asiático os cristãos são presos e pressionados a renunciar a fé, alguns até são mortos por não aceitarem deixar Jesus.
Em julho a mesma aldeia registrou outro episódio de perseguição religiosa: dois homens foram presos por não aceitarem o ultimato de renunciar a fé. Dessa vez as famílias foram expulsas e logo em seguida um dos anciãos, patriarca de uma das famílias, morreu deixando a situação dos parentes ainda mais complicada. Com informações Portas Abertas

OAB quer proibir sacrifícios de animais em rituais religiosos

O projeto é visto por representantes do candomblé como preconceito religioso
A Comissão de Proteção e Defesa dos Animais da Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro (AOB-RJ), presidida por Reynaldo Velloso, quer proibir os rituais religiosos com sacrifícios de animais.
A decisão foi anunciada durante a  XXII Conferência Nacional dos Advogados no Rio de Janeiro quando Velloso comentou sobre o assunto, gerando muitas críticas de representantes do candomblé que afirmam que tentar impedir os sacrifícios é perseguição religiosa.
“Os animais têm que ser defendidos, mas as pessoas têm que entender os limites da nossa tradição da sacralização do alimento”, disse o babalorixá Ivanir dos Santos que é presidente da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa também do Rio de Janeiro.
Mas para quem alega se tratar de uma tradição, Velloso tem uma resposta ríspida: “Tradição tem que ser na África, não no Brasil”. Sua fala gerou muitas críticas e apesar de ele não ter ligação nenhuma com os evangélicos, ele foi chamado de oportunista e de estar em concordância com eles.
“Isso é perseguição de grupos evangélicos, e ele está querendo usar isso como forma de se notabilizar”,  disse Santos que é totalmente contra a proibição dos sacrifícios de animais.
Mas para o presidente da Comissão de Proteção e Defesa dos Animais da OAB a matança dos animais precisa parar. “Só o candomblé e mais religiões de poucos adeptos cometem essa prática. Tem que prevalecer a vontade da maioria. Onde já se viu matar um ser indefeso para uma entidade evoluir? Isso só existe na cabeça das pessoas”, disse.
Para o advogado a religião deve ser limitada pela lei que já proíbe os maus tratos aos animais. “A religiosidade tem que se submeter a todas as regras da vida. Você não tem direito de matar um marginal se ele invadir sua casa.”
Quem concorda com Velloso é a veterinária Andrea Lambert, da Associação Nacional de Implementação dos Direitos dos Animais que pede para que a prática seja combatida e proibida.
“O animal é morto por pessoas que não conhecem a técnica correta para fazer um abate humanitário. Liberdade religiosa não é praticar um crime. Se fosse assim, poderiam matar até um ser humano com esse mesmo argumento”, argumentou ela para o jornal O Dia.

Pessoas já estão recebendo implantes de chips em vários países

Filmes de Hollywood servem para disseminar a ideia
O implante de chips em seres humanos já é uma realidade. Esta semana, uma pesquisa realizada pela empresa de tecnologia Cisco Systems mostrou que cerca de um quarto dos profissionais entre 18 e 50 anos seriam voluntários para receber um implante cerebral que lhes permitisse unir instantaneamente seus pensamentos com a Internet.
Entre outras conclusões, o relatório revela que até 2020, a maioria dos profissionais acredita que os smartphones e os “wearables” (computadores vestíveis) serão os dispositivos mais importantes na força de trabalho.
Na verdade, a tecnologia já existe e está sendo testada em diferentes países. Em setembro, um grupo de australianos inseriu microchips sob a pele para poderem controlar dispositivos eletrônicos apenas com um movimento.
Ben Slater, diretor de publicidade para a Apple na Austrália, tornou-se famoso por demonstrar como os smartphones interagem com quem já usa um chip com a tecnologia RFID (Identificação por Radio- Frequência). Do tamanho de um grão de arroz, o implante subcutâneo permite que o usuário possa abrir portas, ligar e desligar luzes e uma série de outras coisas apenas com gestos, sem precisar tocar nas coisas.
O celular identifica o movimento e se “comunica” com os objetos, numa simbiose que até recentemente só era possível se ver em algum filme de ficção. Sua ação foi uma maneira de promover o lançamento do IPhone 6 na Austrália e mostrar de que maneiras o telefone se comunica com os chips.
Além de Slater e outros australianos, a tecnologia também ganhou adeptos na Suécia. Durante a conferência SIME 2014, realizada este mês em Estocolmo, voluntários suecos implantaram chips similares, que permitem a interação com aparelhos eletrônicos.
Emilott Lantz, 25, é parte de um grupo de cerca de 100 pessoas que vivem com um microchip de tecnologia RFID. Durante a SIME, onde foi debatido e apresentado os mais recentes avanços na área de tecnologia, todos os participantes interessados receberam o implante do microchip de graça. Trata-se do mesmo tipo comumente usado para rastrear animais de estimação.
O diferencial é que eles estão programados para servirem aos seres humanos como substitutos de chaves e senhas. Para Lantz, além da curiosidade, esse foi o principal motivador. Agora, ela não precisará carregar tantas chaves como de costume.
“A tecnologia não é nova, mas o assunto torna-se sensível apenas porque é no corpo humano”, disse ela. “Eu não me sinto como se isso fosse o futuro – este é o presente. Para mim, é estranho que não vimos isso ser usado antes”, conclui.
Nos Estados Unidos, um homem chamado Robert Nelson inseriu chips com a tecnologia NFC, a qual permite a troca de dados por aproximação, nas duas mãos. Uma reportagem do site ‘Ubergizmo’, mostra que Nelson já conseguiu simular pagamentos, pois é a mesma tecnologia usada no pagamento por smartphones.
De acordo com RT News esse mesmo tipo de chip NFC foi implantado por um grupo de holandeses. Eles fazem parte de um experimento comandado pelo empresário Martijn Wismeijer. Através de estruturas de vidro “biocompatíveis”, ele conseguiu implantar dois chips nas mãos que são capazes de armazenar e realizar transações com a moeda virtual “bitcoin”. Ou seja, ele literalmente não precisa mais de dinheiro ou cartões de crédito para fazer compras.
Co-fundador da empresa MrBitcoin, que é especializada em negociações com moedas virtuais, ele explica que os chips se comunicam com qualquer smartphone que rode o sistema Android. “O terminal de pagamento continua sendo o telefone, mas é possível transferir bitcoins a partir dos chips”, explica.
Em vários países desenvolvidos, os benefícios de se usar chips (com fins medicinais ou não) são bastante debatidos entre os adeptos do trans-humanismo, também chamado de Humanidade +.
Esse movimento filosófico deseja explorar as inovações da ciência e tecnologia e sua relação com a humanidade. Seu objetivo é fazer a humanidade vencer as barreiras do organismo e prolongar a vida indefinidamente. O assunto foi tratado de maneiras diferentes em dois filmes lançados este ano: “Lucy”, estrelado por Scarlett Johansson, e “Transcendence – A Revolução”, com Johnny Depp. Com informações deDaily Mail e The Local

Pastores são presos por “ferir os sentimentos religiosos” dos muçulmanos

Perseguição religiosa cresce na Ásia
Existem vários registros do crescimento da perseguição religiosa na Ásia, especialmente contra os cristãos. Na maioria dos países predominantemente muçulmanos, a acusação mais comum é de “blasfêmia” quando um cristão coloca Jesus acima de Maomé.
Porém, quando dois pastores de Bangladesh foram presos este mês, a acusação foi que estavam “ferindo os sentimentos religiosos” dos muçulmanos. Eles poderão ficar até dois anos atrás das grades. O julgamento ocorrerá em dezembro.
O pastor Arif Mondol lidera a Igreja de Deus Fé e Bíblia em Lalmonirhat. A pequena congregação reúne toda semana entre 30 e 40 pessoas numa casa que serve como templo. No início deste mês, quando ele e um pastor visitante estavam realizando um batismo, cerca de 200 muçulmanos furiosos invadiram o prédio e atacaram Mondol e seu amigo.
O fato de os batizandos serem ex-muçulmanos irritou os líderes islâmicos da região. Segundo relatos da polícia, todos os cristãos foram levados para a delegacia, ouvidos e liberados. Contudo, mesmo machucados, os pastores tiveram de pagar uma fiança.
Mondol e outro pastor (que não teve seu nome divulgado) negam.  Apesar de Bangladesh não ter leis contra a evangelização, a minoria cristã rotineiramente enfrenta perseguição por causa da sua fé. Oficialmente, 86% da população é formada de muçulmanos, com o hinduísmo sendo a segunda maior religião (10%). Menos de um por cento da população é cristã. Com informações de Christian News

Anunciada nova produção sobre Jesus Cristo para dar sequência à série A Bíblia

bible

O ator argentino Juan Pablo di Pace, foi escalado para o papel de Jesus Cristo em “A.D.” (ainda sem tradução para o Brasil), minissérie em doze partes, que será a sequência do sucesso A Bíblia (The Bible, em inglês), produzida por Roma Downey e Mark Burnett. A estreia dessa nova série está definida para o domingo de Páscoa, 5 de abril de 2015.

"O cristianismo está entre os movimentos mais diversificados da história, por isso, quando Mark e eu, pensamos em trazer a história épica de “A.D.” para a TV, percebemos que seria importante para nós encontrarmos um elenco tão belo e variado, como é a igreja em todo o mundo”, afirmou Downey sobre o elenco, de acordo com o site Deadline.com.
Aos 35 anos, Di Pace foi escolhido para representar o papel de Cristo, vindo de trabalhos em outros seriados de língua inglesa.
Ele falou de sua emoção ao ser escalado pelos produtores, através de uma mensagem no Twitter, destacando que está "acanhado e feliz por estar interpretando Ele".
Sua biografia no site IMDB mostra que ele viveu na Espanha, Itália e Inglaterra, e fez várias aparições na televisão britânica.
O ator também estrelou uma versão espanhola de Os Embalos de Sábado à Noite. Já em 2012, ele escreveu e produziu Primer Acto, um show solo que lhe rendeu uma série de prêmios na Espanha.
O seriado "A.D." vai narrar a vida dos seguidores de Jesus após a ressurreição, com uma especial ênfase no papel de Maria Madalena, interpretada pela atriz sino-africana Chipo Chung, descrita como "a espinha dorsal do grupo", que "trabalha incansavelmente para manter o movimento prosseguindo em meio a todos os desafios".
A minissérie A Bíblia, estrelada pelo ator português Diogo Morgado como Jesus, quebrou vários recordes de TV, com mais de 100 milhões de espectadores durante a sua exibição. Em abril de 2013, tornou-se a minissérie em DVD mais vendida de todos os tempos na primeira semana de seu lançamento, com uma venda aproximada de 525 mil cópias.
"Nós nos sentimos incrivelmente abençoados por termos sido capazes de trazer esta história de amor surpreendente para a tela", Burnett e Downey disseram anteriormente sobre o sucesso da série.
"É a nossa esperança que as pessoas em todos os lugares vão continuar a ser tocadas pela mensagem da Bíblia e desfrutar dessas histórias em casa, com suas famílias, nos próximos anos. Isso é apenas o começo", concluiu.

23 novembro, 2014

AS "LOUCURAS" DOS PREGADORES QUE PENSAM "FORA DA CAIXA"


Tempos difíceis os nossos, em que pregadores que "pensam fora da caixa" apresentam falsas boas-novas, isto é, um tipo de evangelho que os pecadores querem ouvir, e não o Evangelho, o qual os pecadores precisam ouvir, mesmo que não o apreciem. Não é por acaso que a Palavra de Deus alerta: "virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências" (2 Tm 4.3).

Há algum tempo, um pregador "radical" que gosta de fazer "loucuras gospel" cheirou uma Bíblia como se estivesse usando cocaína. E agora tem outro pregador "radical" — aquele que cita passagens bíblicas de modo "free style", empregando palavrões e expressões chulas — dizendo que a Igreja, a Noiva do Cordeiro, é uma vagabunda.

O leitor quer um verdadeiro exemplo de pregador que fala a verdade com contundência e agrada a Deus? Olhe para a pregação e a conduta de Estêvão (At 6-7). Ele foi apedrejado não por ter tido uma conduta "radical" ou ter usado palavras humanas "impactantes" (cf. 1 Co 2.1-5), e sim por ter dito a verdade das Escrituras com autoridade.

Há pregadores e escritores evangélicos que se orgulham de pregar e escrever "fora da caixa". Eles apresentam um outro evangelho — muito diferente do que Jesus e os seus apóstolos pregaram — e ainda acham que são perseguidos por causa disso... Ora, Deus se agrada mesmo é dos pregadores e escritores que, assim como Paulo, pregam e escrevem sem sair da maravilhosa caixa chamada Bíblia Sagrada, a Palavra de Deus (1 Co 11.23).


Ciro Sanches Zibordi

Pastor é acusado de discriminação por não realizar casamento gay

Homossexuais querem mudança nas diretrizes da Igreja Metodista
A denominação Metodista Unida experimentou esse ano uma grande divisão interna por que parte dos seus pastores e bisposaceitaram realizar casamentos de homossexuais em seus templos. Um concílio para discutir o caso e possivelmente mudar as diretrizes da denominação está marcado para 2016.
Ao longo de 2014, a maioria dos Estados americanos, incluindo a Carolina do Norte, reconheceram o direito dos gays se casarem no cartório. A medida causou grande polêmica, levando inclusive juízes a pedirem demissão por se negarem a realizar as cerimônias civis.
No início do mês, dois gays que frequentam a Igreja Metodista Unida de Green Street, na cidade de Winston-Salem, Carolina do Norte, apresentaram uma denúncia ao bispo da denominação. Sua queixa é que o pastor da igreja contrariou as diretrizes da igreja ao se recusar a realizar a cerimônia de casamento deles no templo.
Kenny Barner e Scott Chappell, que estão juntos há nove anos, acusam o pastor Kelly P. Carpenter de “discriminação”. Barner e Chappell reconhecem que nem todas as igrejas metodistas realizam casamentos gays, mas como membros antigos da igreja, têm o direito de serem atendidos.
Tanto Chappell quanto Barner acreditam que há uma contradição no chamado Livro de Disciplina da igreja, que proíbe que o pastor demonstre “preconceito de raça ou gênero”. Ao mesmo tempo, insta que os pastores e líderes “ministrem a todas as pessoas”.
O pastor Carpenter disse que não irá realizar casamento de pessoas do mesmo sexo, pois issi seria contrariar as regras da igreja Metodista Unida. A queixa foi encaminhada ao bispo Larry Goodpaster, um dos líderes da Igreja Metodista Unida no Estado. Até o momento, não há uma posição pública da denominação quando ao caso.
Dias depois de o caso surgir na imprensa, o site Raw Story mostrou que o pastor na verdade estava estimulando Kenny e Scott a fazer a denúncia, pois isso forçaria a Denominação a se pronunciar. Foi revelado também que Barner é presidente do Conselho de Liderança da igreja, e seu companheiro Chapell exerce o cargo de diretor-executivo do ministério de serviço social. Na entrevista, o pastor Kelly disse saber que toda a repercussão iria “trazer problemas”, mas poderiam ser problemas que ele “já estava esperando”. Insistiu ainda que se pudesse ajudar a dupla de alguma maneira, o faria sem dúvida.
Ainda há muita controvérsia interna sobre o assunto. Recentemente, John Lemperis, um influente líder metodista e diretor do Instituto de Religião e Democracia, disse recentemente: “Mesmo os estudiosos liberais da Bíblia concordam que o Antigo e o Novo Testamentos são muito claros em sua desaprovação moral da prática homossexual”, escreveu ele.
“As Escrituras pintam um quadro bonito do casamento como um pacto sagrado de autodoação entre o homem e a mulher… Nós nos submetemos a Jesus como Senhor… Se Ele é verdadeiramente o Senhor, então nenhuma área de nossa vida pode estar fora do seu controle. Jesus falou claramente sobre a necessidade de fazemos sacrifícios pessoais radicais para servi-lo. Isso inclui não ceder aos desejos que tentam nos dominar”.
Com informações de Christian News

Adolescente mata missionária de 82 anos na Bahia

Marjorie May Browning estava há 40 anos no Brasil desenvolvendo trabalhos sociais com mulheres, crianças e adolescentes.
A Polícia Civil da Bahia apreendeu um adolescente de 16 anos, da cidade de Avelino Lopes, no Piauí, que confessou ter assassinado a missionária americana Marjorie May Browning, de 82 anos, com golpes de mão de pilão, utensílio de madeira usado na cozinha rural para esmagar grãos.
O crime aconteceu no dia 12 de novembro no povoado de Nova Holanda, em Pilão Arcado no Norte da Bahia, quando o jovem invadiu a casa da missionária para furtar e foi surpreendido ao encontrar Marjorie na residência.
“A missionária estava debruçada sobre a janelita, quando percebeu que tinha alguém a mais na casa. E para que ela não o reconhecesse e denunciasse a polícia, o adolescente a golpeou violentamente na região do pescoço, o que a fez morrer no local”, contou o delegado Arnóbio Dionísio Soares.
Ele falou ser essa a terceira vez que o garoto ia ao local furtar, mas a missionária nunca tinha prestado queixa na polícia por perdoar a ação criminosa do adolescente. May foi encontrada morta em casa dois dias depois por pessoas da comunidade rural, que sentiram falta das visitas diárias que a missionária fazia para evangelizar.
O adolescente de 16 anos estava apenas a passeio no povoado visitando familiares em companhia da mãe, que disse não ter percebido nada estranho no comportamento do filho durante os dias que passaram lá.
Em depoimento na delegacia o jovem disse ser usuário de drogas e alegou roubar para manter o vício. Ele também já responde a uma medida socioeducativa por furto no Piauí. Nessa quarta-feira (19/11) o menino e a mãe foram ouvidos pela Promotoria Pública de Pilão Arcado, que solicitou o internamento provisório dele na Fundação de Amparo de Menor, em Salvador.
A missionária americana Marjorie May, natural do Texas nos Estados Unidos, estava há mais de 50 anos no Brasil pela Igreja Batista Bíblica. Ela iniciou a missão em São Paulo, depois foi para Pilão Arcado (BA), onde passou cerca de 40 anos desenvolvendo trabalhos sociais com mulheres, crianças e adolescentes.
Todas as atividades eram desenvolvidas na zona rural do município, que ela percorria evangelizando em cima de um cavalo. Mesmo já aos 82 anos e com a saúde frágil, a missionária tinha recusado recentemente a oportunidade de retornar ao país de origem, “a proposta foi feita para que ela pudesse cuidar melhor da saúde, ter uma aposentadoria tranquila, mas ela não queria sair do Brasil e nem da comunidade”, disse o pastor Domingos Ribeiro Santana, responsável pela Igreja Batista Bíblica na zona urbana de Pilão Arcado. E em respeito a esse carinho, a missionária Marjorie foi enterrada no povoado, que ela dedicou metade da vida pregando o evangelho.
A população de pouco mais de trinta mil habitantes continua abalada com o fato e a violência do crime. E os amigos e irmãos em Cristo que acompanhavam o trabalho de Marjorie May de perto veem nela um exemplo de mulher, que fez do versículo em 2 Timóteo 4:7 “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé”, o resumo do seu legado.
Confira documentário sobre o trabalho desenvolvido pela missionária no Brasil:

Ator que se veste como Jesus é preso enquanto evangelizava

Liberto das drogas, Philly Jesus, como é conhecido, utiliza personagem para evangelizar nas ruas
O ator e cantor Mike Grant, 28 anos, disse que sua vida chegou “ao fundo do poço” após ser preso várias vezes e por diferentes motivos. Em outros tempos ele ganhava a vida cantando rap com o nome artístico de Opal Weaver, que segundo Mike, era um demônio que se apossava dele.
No final de 2013, Grant, então um viciado em heroína, chegou a mendigar nas ruas da Filadélfia, onde mora. Nessa época foi atropelado por uma ex-namorada após uma briga. Diante da possibilidade da morte, parou para repensar seus caminhos. Foi para um centro de recuperação, onde se converteu.
“Nossa fonte da existência, Jesus Cristo de Nazaré é nossa rocha. Eu entreguei minha vida e ele a mudou completamente, rompendo todas as cadeias do vício”, lembra, aliviado.
O cantou deixou seu cabelo crescer, passou a vestir roupas largas e rústicas e carregar uma espécie de cajado. Por vezes, anda com uma cruz às costas. Surgiu então “Philly Jesus” [Jesus da Filadélfia], um personagem que Grant usa para espalhar sua mensagem de fé.
A figura que lembra propositalmente de Jesus começou a atrair as pessoas que circulam pelo LOVE Park, local onde ele muitas vezes cantou em troca de dinheiro. O jovem conta que muitas pessoas pedem para tirar fotos com ele, apertar sua mão e até para orarem com ele.
Rotineiramente, Philly Jesus fica andando pelo parque, as vezes de skate, as vezes de patins. Canta canções de louvor e prega para quem estiver passando. Mas isso não é bem-visto pela polícia local.
Semana passada ele foi preso, acusado de “conduta desordeira” e forçado a sair do LOVE Park.Seu advogado, Charles M. Gibbs, diz que ele não estava fazendo nada de errado e pode ter sido vítima de seu passado.
Segundo o relatório do policial que o prendeu, ele estava pedindo dinheiro aos transeuntes, o que é proibido por lei. O ator defende-se, afirmando que eventualmente recebe doações das pessoas, mas não pede nada. Quer apenas falar sobre Jesus de “uma maneira divertida”. Faz questão de afirmar que não é louco. “Sou um cristão nascido de novo. Não penso ser Jesus Cristo. Quero apenas ser uma inspiração para os outros”, assevera.
O advogado afirma que o desejo de seu cliente é apenas “Espalhar o evangelho da esperança, do amor e da paz”. “Nosso governo querer prendê-lo por isso é algo absolutamente ridículo. Lembra-nos de algo que aconteceu 2000 anos atrás”, disse.
Contudo, se a prisão foi uma tentativa de silenciar Philly Jesus, teve o efeito oposto. O assunto foi notícia em diferentes programas de TV. Também virou notícia em diversos portais internacionais, fazendo seu testemunho conhecido em várias partes do mundo.
Conta que mais pessoas estão parando para conversar com ele depois disso. Explicou que vestir-se como Jesus é apenas uma maneira de falar para as pessoas sobre sua mensagem. Toda essa fama repentina o fez ganhar milhares de seguidores nas redes sociais, que ele usa continuamente para falar sobre fé e compartilhar versículos. Com informações BBC e MY9NJ
Assista reportagem da BBC:

Obama dá justificativa bíblica para decisão sobre imigração

Plano de imigração protege cerca de 5 milhões da deportação
O presidente Barack Obama está sendo duramente criticado por conta de sua decisão de impedir a deportação de quase 5 milhões de imigrantes através de um decreto. Agora, quem está no país há pelo menos 5 anos poderá solicitar uma permissão de trabalho de três anos.
“Hoje, nosso sistema de imigração está ‘quebrado’, e todo mundo sabe disso”, iniciou ele num discurso que foi transmitido ao vivo pela TV. Ao explicar por que acredita que isso é “a coisa certa a ser feita”, Obama usou como argumento uma passagem da Bíblia. “A Escritura diz que não deve oprimir um estrangeiro, pois sabemos como é o coração de um estrangeiro. Nós também fomos estrangeiros uma vez. Somos e seremos sempre uma nação de imigrantes”.
Embora não tenha identificado durante sua fala, ele se referia a Êxodo 23: 9 diz: “Também não oprimirás o estrangeiro; pois vós conheceis o coração do estrangeiro, pois fostes estrangeiros na terra do Egito”.
Obama é do partido Democrata, que é historicamente considerado mais “liberal” e quase sempre recebe críticas por que abandonou as “raízes cristãs” dos fundadores dos EUA. Foi na sua gestão, por exemplo, que a maior parte dos Estados americanos legalizaram o casamento de pessoas do mesmo sexo.
Do outro lado, o Partido Republicano tem uma ala mais radical que usa muitas vezes os “princípios bíblicos” como justificativa para algumas decisões políticas. Por isso mesmo, o fato de Obama ter citado a Bíblia é visto com desconfiança.
Por um lado, comemora-se o fato de um presidente – que toma posse sempre colocando a mão sobre uma Bíblia – mencionar as Escrituras. Já os críticos afirmam que trata-se de mera retórica e que o presidente não leva os outros ensinamentos bíblicos tão a sério.
Mesmo assim, o fato voltou a levantar em alguns meios a questão se o presidente realmente pode ser considerado cristão. Em 2012, na época em que fazia campanha para sua reeleição, afirmou que procurava escutar a voz de Deus para poder enfrentar os desafios de seu país e que evita a “falsa religiosidade”, assumindo uma atitude corajosa “diante da resistência ou indiferença”. Também afirmou governar segundo a sua fé.
Cerca de um ano depois, com o país passando por sérios problemas econômicos, uma pesquisa do Public Policy Polling indicou que 13% dos norte-americanos acreditam que Barack Obama realmente é o Anticristo.  Outros 13% dizem que ele “pode ser” o Anticristo. Somados, 26% da população acredita que o presidente esteja ligado a esse personagem bíblico que representa o mal e deverá surgir no final dos tempos.
Recentemente, o pastor Robert Jeffress, da Primeira Igreja Batista de Dallas, megaigreja com mais de 11 mil membros, afirmou que o governo de Obama levaria o mundo para o reinado do AnticristoCom informações de CNS News