23 março, 2015

QUERIDA COMUNIDADE GAY, SEUS FILHOS ESTÃO SOFRENDO, DIZ FILHA DE CASAL DE LÉSBICAS

Em um momento em que os direitos do movimento LGBT vêm ganhando força, uma história parece estar chamando atenção da categoria e não pelo lado positivo. A norte-americana Heather Barwick, 31, escreveu nessa terça-feira (17), um artigo intitulado "Querida comunidade gay: seus filhos estão sofrendo", que vem causando discussões nas redes sociais.
No texto, Heather conta que a mãe já sabia que era gay antes mesmo de se casar com seu pai, mas foi quando ela tinha dois ou três anos que viu a genitora pedir o divórcio para viver com outra mulher, e conta que sentiu falta do pai durante a infância.

Em um trecho, ela diz que elas viviam em um ambiente liberal e mente aberta, rodeadas de amigos gays e lésbicas, além da parceira da mãe tê-la tratado "como se fosse sua própria filha". Mas justifica seu pensamento: "Não é porque vocês são gays. Eu amo muito vocês. É pela própria natureza do relacionamento entre pessoas do mesmo sexo".

Ela também conta que quando tinha 20 anos chegou a militar pela causa gay, mas depois de ver o quanto a situação havia impactado em sua vida, mudou de ideia. "Casamento entre pessoas do mesmo sexo significa privar a criança de um pai ou uma mãe dizendo que não importa, que é tudo o mesmo. Mas não é".

Para Heather, não é uma questão de ódio, e sim algo que precisa ser conversado. "Muitos de nós, muitos de seus filhos, estão sofrendo. A ausência do meu pai criou um grande vazio em mim e eu sofria todo dia por não ter um. Eu amo a parceira da minha mãe, mas outra mãe nunca substituirá o pai que eu perdi".

A americana também afirmou que teve dificuldade de entender como seria sua relação com o marido. "Eu não sou gay, mas a relação que tinha como modelo antes era entre duas mulheres".

Pastor chama Lula para depor sobre o “exército de Stédile”

Comissão de Direitos Humanos aprova requerimento que convoca ex-presidente
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai ser convidado a prestar esclarecimentos na Câmara Federal sobre as declarações feitas por ele citando o Movimento dos Sem Terra (MST) como “exército de Stédile”.
O convite para o presidente foi aprovado pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias e o ex-presidente poderá aceitar ou não comparecer no Plenário para ser interrogado pelos deputados.
O requerimento aprovado diz que a declaração de Lula incita uma guerra civil. “rata-se, na verdade, de uma ameaça que pode colocar em risco a segurança nacional e a soberania do Brasil.
stamos vivenciando um momento de grave crise política e social. Saber que existe um exército paralelo e perigoso à disposição e comando de grupos políticos gera risco à ordem social”, diz o texto.
O requerimento votado nesta quarta-feira (18) é de autoria do deputado Ezequiel Teixeira (SD-RJ) que questionada a seguinte fala do ex-presidente a respeito do MST: “Em vez de ficarmos chorando, vamos defender o que é nosso. Quero paz e democracia, mas também sabemos brigar. Sobretudo quando o Stédile colocar o exército dele nas ruas”.
Para quem não sabe João Pedro Stédile é o líder do MST, braço do Partido dos Trabalhadores que tem organizado pequenas manifestações pelo país em defesa da Petrobras e da permanência do PT no poder.
Ao falar que o líder do movimento social tem um “exército”, Lula deu margem para que os deputados ficassem preocupados com o que este movimento, conhecido por manifestações violentas, a ponto de acharem por bem cobrar explicações do ex-presidente.
“Somente às forçar armadas compete a defesa da pátria. Causa espécie a declaração de um ex-presidente que um dia fez um juramento de defender a democracia e as instituições permanentes, bem como o ato ilegítimo dirigido por representante de entidade”, diz o texto aprovado na CDHM.
Com informações O Globo

Magno Malta fala sobre corrupção: “O corrupto é eleito com o voto do povo”

A decisão de quem ocupará as vagas no Legislativo e no Executivo é feita através do voto
Mais de um milhão de pessoas saíram às ruas de diversas cidades brasileiras no último domingo (15) para protestar contra o atual governo. O motivo dessas pessoas eram os mais diversos possíveis, mais um deles era comum: lutar pelo fim da corrupção.
Em seu discurso no Senado, Magno Malta (PR-ES) comentou a manifestação dos brasileiros criticando a corrupção e pedindo ajuda para que os eleitores acabem com a corrupção não elegendo políticos corruptos.
“Você faz uma lei muito forte para corrupção, mas o corrupto é eleito para vir pra essa casa”, afirmou o senador capixaba ao comentar as medidas anunciadas pelo Governo para acabar com a corrupção.
“O corrupto é eleito com o voto do povo, é aí que eu quero chamar a população para refletir. O povo tem que nos ajudar neste momento porque os corruptos que entram na vida pública entram pelo voto”.
A fala de Magno Malta é direcionada para os eleitores, dizendo que é necessário conhecer a vida do candidato antes de votar, pois as leis de corrupção não terão efeito enquanto corruptos assumirem os postos do governo.
“Você precisa com o seu voto, com a sua cidadania, matar o rato”, disse ele comparando os corruptos e corruptores com ratos que se proliferam rapidamente. “Rato, se você fecha um buraco e não mata ele vai para outro lugar”.
Magno Malta pediu a ajuda de formadores de opinião para conscientizar a população para votarem ciente do passado de seus candidatos para evitar que políticos com más intenções sejam eleitos.
Assista:

Boicote evangélico? Audiência de “Babilônia” volta a cair

A primeira semana da novela foi marcada por índices abaixo do esperado que é de 35 pontos
A novela “Babilônia”, da Rede Globo, estreou na segunda-feira (16) já registrando baixa audiência em comparação as novelas da nove da emissora com 32.8 pontos de ibope.
Nesse primeiro capítulo a emissora carioca mostrou um beijo lésbico protagonizado por duas atrizes veteranas, Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg, fato que fez com que muitos líderes evangélicos se posicionassem contra a trama pedindo aos brasileiros que boicotem a novela.
Coincidentemente ou não, “Babilônia” teve uma semana de baixa audiência, números que podem deixar a Rede Globo em alerta. O segundo capítulo que foi ao ar na terça (17) registrou 29.8 pontos se tornando a segunda pior audiência de uma novela das nove em relação ao segundo capítulo. A novela “Império”, antecessora de “Babilônia” teve 35 pontos de média no seu segundo capítulo.
Na quarta (18) o ibope foi ainda menor, com 26.4 de média um número inferior aos apresentados pela novela “Em Família” citada como “a pior novela da história das 21h” pelos sites que cobrem TV.
O quarto capítulo, exibido na quinta (19) teve 29 pontos de média e na sexta (20) a média foi de 25.3 pontos mostrando que a trama assinada por Gilberto Braga, Ricardo Linhares e João Ximenes Braga pode substituir “Em Família” no posto da novela com piores índices de audiência.
Cada ponto representa 67 mil domicílios da Grande São Paulo e a média estimada para o horário das 21h é de 35 pontos, valor não atingido pela trama.

Marco Feliciano propõe boicote a Natura por patrocínio a “Babilônia”

Novela da Rede Globo tem atacado os valores da família e promovido à causa gay
A estreia da novela Babilônia, da Rede Globo, com a cena de um beijo lésbico protagonizado por duas atrizes veteranas, Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg, não tem agradado a maioria dos telespectadores e derrubou a audiência da emissora na última semana.
A novela que já registra as piores audiências entre os folhetins exibidos no horário das nove, tem sofrido boicote e tem sido duramente criticada por muitos líderes evangélicos que se posicionaram contra a trama, entre eles o deputado e pastor Marco Feliciano.
Feliciano é líder da Igreja Assembleia de Deus Catedral do Avivamento e um dos mais renomados conferencistas brasileiros. Ele tem pedido aos fiéis que boicotem a emissora, aconselhando a procurarem outros canais e evitarem dar audiência às novelas da Rede Globo.
O pastor também pediu um boicote a principal patrocinadora da trama, a Natura, uma empresa brasileira que atua no setor de cosméticos e tem grande prestígio entre os pentecostais. O deputado quer que a empresa abandone o patrocínio da telenovela sob ameaça de promover uma campanha contra seus produtos.
“Conclamo aos que defendam valores morais a BOICOTAR esta empresa, não comprando e nem vendendo seus produtos até que ela retire seu patrocínio”, conclamou o parlamentar evangélico.
Feliciano disse que o propósito do boicote é dar resposta aos movimentos gays que tem tentado impor suas ideologias. O parlamentar citou ainda alguns exemplos de casos de empresas, produtos e serviços que sofreram boicote dos ativistas homossexuais por ter uma posição tradicional.

17 março, 2015

Mídia e políticos caíram na “trapaça do gênero”, denuncia especialista

Governo estabeleceu recentemente que cada estudante pode usar o banheiro de acordo com sua identidade de gênero
Especialista na temática da Ideologia de Gênero, o padre José Eduardo de Oliveira e Silva alerta que a mídia e os políticos brasileiros caíram na “trapaça do Gênero”, e agora reproduzem o discurso e a terminologia de quem defende que gênero é apenas escolha.
No último dia 12 o “Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoções dos Direitos de Lésbicas, Gays, Travestis e Transexuais” estabeleceu que cada estudante pode usar o banheiro de acordo com sua identidade de gêneroautodeclarada nas escolas e universidades.
Em outras palavras, meninos podem frequentar banheiros femininos e vice-versa. Além disso, o Conselho Nacional do governo federal estabeleceu que as escolas devem reconhecer os “nomes sociais” de travestis e transexuais.
O padre José Eduardo recentemente chamou atenção para um artigo publicado pelo Portal G1, “‘Moça, você é machista': trans criam maior página feminista do país”, cujo texto apresentava o vocabulário utilizado pelos militantes da Ideologia de Gênero.
No texto publicado no G1 o autor dizia que as “pessoas transexuais também sofrem opressão da sociedade cisnormativa” e que há uma opressão não apenas do homem contra mulher, mas da sociedade contra pessoas transexuais.
“Cisnormatividade seria ‘mania’ esta que todas as civilizações humanas estranhamente tiveram ao longo da história de imaginarem que o fato de alguém nascer homem ou mulher o faz ser realmente assim. Com um golpe linguístico, relegam toda a história da humanidade à periferia da igualdade de gênero”, disse sacerdote da Diocese de Osasco e doutor em teologia pela Pontifícia Universidade Romana da Santa Cruz e professor de Teologia Moral.
Em outras palavras, os militantes da Ideologia de Gênero dividiram a raça humana em duas categorias: “transgênero”, para quem migrou do gênero socialmente atribuído ao sexo biológico com o qual nasceu para um novo gênero, auto-atribuído e inventado pelo próprio sujeito; e “cisgênero”, para quem permaneceu no seu gênero biológico.
“O vocabulário dos ideólogos de gênero começa a desfilar no cardápio da grande mídia. E ainda há quem acredite que tudo isso se trata de um simples discurso de anti-discriminação, e, mesmo diante de textos clamorosos e auto-explicativos como este, antecipadamente documentados e justificados por nós, nos acusa obstinada e imbecilmente de “fanáticos da ideologia do gênero”, denunciou o padre José Eduardo.

Andressa Urach perde amigos após conversão: “Debocham da minha fé”

A modelo se tornou evangélica após passar por problemas de saúde
Andressa Urach tinha muitos amigos e era presença VIP nas festas dos famosos. Mas depois que se tornou evangélica, a vice miss bumbum 2012 perdeu até os amigos mais próximos que não concordam com a sua nova religião.
“Muitas pessoas se incomodam com a minha conversão. Eu era uma pessoa que causava e, por isso, debocham da minha fé”,afirmou ela em entrevista ao EGO.
Andressa se converteu na maca de uma UTI quando teve inflamações nas coxas por conta da aplicação de hidrogel. A infecção chegou ao sangue e por pouco ela não veio a óbito.
Foi na fé que ela encontrou forças para vencer a situação e desde então optou em se arrepender do passado polêmico e adotar uma postura diferente da que a levou à mídia.
“Eu era um exemplo do que não fazer, agora quero ser um exemplo do que é certo”, disse. Mas para isso ela está renunciando a tudo, até mesmo ao ciclo social em que vivia.
“Me afastei justamente para ninguém atrapalhar esse meu objetivo”, afirmou ela que irá lançar um livro contanto “muitas verdades” sobre este meio.
A modelo continua se tratando, passando por diversos procedimentos que retiram o líquido que se forma em seu corpo por conta da infecção. Mas apesar desses procedimentos incômodos, ela continua firme na fé e crendo que sairá vitoriosa.
Sobre seu passado, Andressa não sente falta e afirma que hoje, mesmo perdendo os amigos, está mais feliz.
“Hoje tenho prazer em estar em casa, com meu filho. Não saio mais de balada, não bebo. Mudei por dentro. E essa mudança tem incomodado. Mas não quero que seja só da boca pra fora, vou mudar com atitudes, estou amadurecendo a minha fé, e as pessoas não aceitam isso. Mas antes só do que mal acompanhada”.

Cruzada de 40 dias de oração pela igreja perseguida mobiliza as mídias sociais

O movimento continua até o dia 10 de abril Lançada no dia 1º de março (2015) pelo deputado federal e pastor Roberto de Lucena (Igreja O Brasil para Cristo), a Cruzada de 40 dias de oração pela igreja perseguida em todo o mundo tem ganho força nas mídias sociais.
A iniciativa ganhou a legenda “Povo da Cruz”, em razão de um dos vídeos publicados pelo Estado Islâmico, no qual 21 cristãos coptas eram decapitados em uma praia da Líbia. Além das fortes imagens, a inscrição “O Povo da Cruz: Seguidores de uma igreja egípcia hostil” também gerou revolta e comoção em cristãos de todo o mundo.
Em sua página oficial do Facebook, o pastor tem compartilhado todos os dias, informações sobre países nos quais há forte perseguição religiosa, como Sudão, Irã, Paquistão, Eritreia e tantos outros, pedindo que a Igreja se una em oração por estas regiões.
Chegando a milhares de compartilhamentos e curtidas em mídias como Twitter e Facebook, a cada postagem de Lucena, a campanha alcança mais adeptos. “Estaremos orando pela Líbia”, comentou um internauta.
Povo da Cruz
Já outro usuário do Facebook lembrou que a campanha pode ser aderida por pessoas de qualquer lugar. “Boa, todos somos cristãos irmãos não importa o lugar vamos orar”, postou.
“Oremos! Nossos irmãos em Cristo estão sendo violentamente perseguidos. Hoje mais até do que nos tempos da igreja primitiva…”, escreveu outro internauta ao compartilhar uma postagem de Lucena sobre a Líbia.
Já em uma postagem sobre o Paquistão, outra internauta declarou apoiar a campanha. “Eu levanto essa bandeira. Oremos pelo Paquistão”, escreveu ao compartilhar a imagem.
A Cruzada continua até o dia 10 de abril, com o uso da hashtag “‪#‎opovodacruz‬”, mas o que se espera é que a campanha seja apenas o despertar da Igreja de Cristo que clama e intercede pelos seus.

Globo apadrinhou o movimento gay, diz Marco Feliciano

Emissora exibe beijo gay na terceira idade no capítulo de estreia de Babilônia.
O deputado e pastor Marco Feliciano comentou nesta segunda-feira (17) a estreia da novela Babilônia, da Rede Globo.  Feliciano afirmou não assistir a novelas e garantiu não ter visto à cena do beijo gay exibido logo no primeiro capítulo de Babilônia.
“Não assisto novela, e já que o nome é Babilônia, deixo a Bíblia falar por mim”, disse o líder evangélico citando algumas passagens bíblicas.
A novela escrita por Gilberto Braga, João Ximenes Braga e Ricardo Linhares, com direção de Dennis Carvalho, recebe o nome de Babilônia por causa do Morro da Babilônia, que fica na Zona Sul do Rio de Janeiro, região onde é ambientada a história.
No capítulo de estreia da nova novela, que substitui Império, as personagens interpretadas por Nathalia Timberg e Fernanda Montenegro protagonizaram um beijo gay. As atrizes interpretam Teresa e Estala, duas mulheres que vivem juntas há mais de 40 anos.
Para Marco Feliciano a cena exibida logo na estreia é mais um indício de que a Globo apadrinhou o comportamento homossexual. A emissora vem fazendo apologia a prática nos últimos anos e exibindo cenas constrangedoras entre homossexuais.
“A Globo já demonstrou seu apadrinhamento ao movimento gay. Virou moda. O público é adulto, eu ficaria preocupado e agiria nos rigores da lei caso fosse passado em horários onde crianças tivessem acesso”, disse Feliciano.
Preocupado com o avanço da ideologia homossexual, Feliciano tem orientado os fiéis a não compactuar com a prática e se manifestar contra as tentativas de doutrinar os telespectadores a ser favorável à agenda homossexual.

Defesa da Família

Não é a primeira vez que Feliciano se posiciona em favor da família. Em 2013, quando assumiu a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados o parlamentar foi perseguido por conta de suas opiniões contrárias a prática homossexual e afirmou na época que não recuaria, pois estava defendendo a família.

Marco Feliciano comenta manifestações contra o PT

O deputado fiz que o governo precisa ter humildade para reconhecer seus erros e reconquistar a população
O deputado Marco Feliciano (PSC-SP) usou seu Facebook para comentar as manifestações que aconteceram em dezenas de cidades brasileiras atraindo mais de 1 milhão de pessoas contra o atual governo e a corrupção.
O texto do parlamentar evangélico se mostrou a favor das pessoas que saíram às ruas mostrando sua indignação contra a presidente Dilma Rousseff, seu partido, a crise na Petrobrás, a crise econômica, a corrupção e outros motivos.
“Essas manifestações devem ser motivo de reflexão para os integrantes de todos os poderes, o executivo, alvo principal deve se desencastelar e procurar verdadeiras lideranças da sociedade civil organizada”, disse Feliciano.
O deputado afirmou também que são os representantes dessas pessoas que devem ser procurados para debate e não “baderneiros profissionais que há anos sobrevivem de recursos públicos nem sempre com prestação de contas transparentes e ainda por cima são chamados de ‘exército'”, uma clara referência ao MST e a CUT, instituições ligadas ao PT que fizeram uma passeata na Paulista na sexta-feira (13) em prol da presidente e da Petrobrás.
Feliciano afirma que o governo deve reverter suas posições para ser aceito novamente pelo povo e ser merecedor do apoio. “Pra isso é preciso de humildade para poder admitir claramente seus erros e demonstrar vontade de mudar os rumos da administração a fim de corrigir aquilo que deva ser objeto de conserto”, ensinou.
Ciente que a reclamação das pessoas também cai sobre o Congresso, Marco Feliciano diz que os outros poderes (Legislativo e Judiciário) devem ficar atentos aos fatos e se prepararem para atuar dentro de suas atribuições para manter a ordem democrática.
“Nós do poder legislativo estamos atentos a todos os anseios populares apresentando Projetos de Lei que possam tornar a vida mais justa, e fiscalizando o executivo para que suas ações sejam sempre pautadas para o bem estar comum a todos os brasileiros e não a grupos privilegiados simplesmente pela cor da camiseta que vestem”, encerra.a

14 março, 2015

FILHO DO PASTOR JOSÉ WELLINGTON É INDICADO PARA PLEITEAR A PRESIDENCIA DA CGADB


Por Daladier Lima

Prezados, aqui e ali as notícias destacam a indicação do Pr. José Wellington Júnior à presidência da CGADB. Desde agosto do ano passado, na UMADENE, a indicação fora aventada e, consta, admitida. Agora foi a vez da SearaNews, que tem entre os colaboradores o amigo Pr. Robson Aguiar. Antes de prosseguir deixo bem claro que não conheço o prezado pastor candidato, nem tenho nada pessoal contra ele, nem contra seu pai. Por que teria? Os questionamentos a seguir são eco de outras postagens e buscam aprofundar a discussão sobre a Assembleia de Deus que precisamos, para fazer frente aos desafios de nosso tempo. Quando escrevemos fazemos escolhas. Entre os pastores citados e a denominação, fico com esta última. Procurem na pesquisa e confirmem que já nos ocupamos bastante do assunto.

Pois bem, a próxima eleição será em abril de 2017. Estamos razoavelmente distante da campanha. Infelizmente, assim como na política a cúpula da entidade só pensa na manutenção das rédeas. Aliás, é praxe Brasil afora. Faço o registro com tristeza profunda no coração. Tenho absoluta certeza que nossos fundadores ficariam desgostosos com tal caminho tomado pela denominação.

Ouvi num grande culto de Confraternização da Mocidade, no templo central em Recife/PE, há mais de 28 anos, um preletor afirmar: “A Assembleia de Deus é o maior movimento pentecostal do mundo, mas se esta igreja não tiver cuidado Deus a rejeitará”. Era um prenúncio sombrio. A efervescência daqueles dias embotava a realidade que se já estava em curso. Nos meus 16, 17 anos não percebia…

Chamo a atenção dos meus dez leitores para algumas colocações que julgo pertinentes:

1) Vejo a indicação com tanta antecedência como uma tentativa de frustrar os planos de concorrentes internos. Posso estar enganado? Sim. Mas, ao contrário do que parece, alguns dos grandes líderes que compõem as entidades representativas assembleianas no Brasil gostariam de ter seus nomes levados em conta. Com a indicação vão ter que trabalhar na surdina, o que reduz seu alcance numa eventual campanha. A maioria dos interessados não vai querer comprar a briga e desiste bovinamente;

2) Consolida-se o patrimonialismo assembleiano, tão bem caracterizado em 1959 (vejam quantos anos!), pelo já falecido Pr. Alcebíades Vasconcelos, nas páginas do Mensageiro da Paz: “O sistema de hierarquia eclesiástica que, pelo adotado, já se esboça de modo bem acentuado entre nós na Assembleia de Deus no Brasil, pois, aquilo que no Cristianismo primitivo demorou cinco séculos para se generalizar, entre nós, com outros nomes, se generalizou em apenas 40 anos e o que na igreja apóstata deste último tempo custou ainda mais tempo para vingar, entre nós, nalguns setores, já é coisa oficializada com menos de 50 anos de experiência pentecostal“. Dentre as negativas características do modelo temos o nepotismo, aonde o poder é hereditário. Depois de 26 anos do pai, teremos o filho;

3) A cúpula não está muito preocupada com os rumos da denominação. Agora mesmo temos uma grave crise ética e institucional na política brasileira e o que ouvimos da CGADB? Nada. Relembro aqui o debate sobre os anencéfalos, no qual todas as entidades religiosas foram convidadas. A CNBB entre outras foi. Mas quem representou a igreja evangélica brasileira foi a IURD, cuja posição sobre o aborto destoa radicalmente da assembleiana! Foi assim com o PNDH 1, com o PNDH2, com o PNDH3. Este último, procurem no blog, somente dois anos depois de lançado foi debatido no Mensageiro da Paz;

4) Mas há algo pior, a CGADB se omite mesmo quando o assunto diz respeito a nós internamente. O que dizer da falta de atuação no sertão nordestino, aonde milhões são escravos da idolatria em pleno século XXI? Aliás, neste particular a UMADENE também tem sua colaboração. Não fora a iniciativa isolada de alguns a AD, maior igreja brasileira, não seria lembrada naqueles rincões. A entidade não protagoniza na erradicação do analfabetismo. Por que não utilizar a Bíblia e massificar um sistema como o Alfalit? Pasmem os senhores, há na CGADB um Comissão de Planos e Estratégias de Evangelismo que utiliza dados de 1993! Em que mundo vive esse pessoal? A CGADB, por exemplo, não tem um portal para repercutir suas ações? Você vê os Testemunhas de Jeová, lançam um site com tradução para centenas de idiomas! Uma entidade mais atenta já teria processado o deputado Jean Wyllis, por exemplo, por suas declarações de discriminação religiosa, como é o caso da última reportagem sobre os projetos de recuperação de viciados evangélicos. Ao contrário, os críticos florescem, transgridem leis e não são enquadrados;

5) No quesito ético nenhum dos políticos assembleianos se viu enquadrado por seus desvios, nem mesmo os deputados federais. Alguns deles estão com processos em diversas instâncias da Justiça. Qualquer um se unge pastor, consagra um punhado de seguidores e põe o nome Assembleia de Deus alguma coisa na parede. Os ministérios pululam nas avenidas brasileiras. As brigas estaduais se aprofundam. Igrejas são tomadas à força Brasil afora. Os líderes se engalfinham e fica tudo por isso mesmo;

6) Até agora a única proposta que mereceu repercussão nacional foi a criação de um partido assembleiano. Ou seja, já não temos partidos demais e desvios políticos aos borbotões e agora se junta mais um partido puro sangue evangélico, que, anotem, não fará nada diferente do que os outros partidos já não fazem. E olha que eu conheço um bocado de políticos evangélicos. Do perfil deles, sem generalizar, não tenho dúvida: vai ser uma benção.

Ficam pendentes a padronização de usos e costumes, Norte a Sul, uma estratégia para a capacitação de obreiros leigos, um “ENEM” para professores e alunos da EBD, um chega pra lá nas denominações assembleianas, de fundo de quintal, o enquadramento de Convenções beligerantes, a implantação da remuneração dos obreiros de maneira uniforme nacionalmente (a Brasil para Cristo, que saiu de nossas fileiras conseguiu aprovar em estatuto, por que não nós?), o adensamento nas redes sociais, o reconhecimento nacional da carteira da entidade para os ministros (novamente a Brasil para Cristo, que saiu de nossas fileiras conseguiu aprovar em estatuto, por que não nós?) e umas dez mil pendências outras. Mas o que é isso diante da perpetuação do poder?

Às favas com as urgências! Como o segredo de aborrecer é dizer tudo (como diz o Reinaldo Azevedo): Não acredito que estas indicações sejam “espontâneas”! #prontofalei

***
Do blog Reflexões Sobre Quase Tudo, de Daladier Lima. Foto: Tiago Bertulino
Título original: O que penso da indicação do Pr. José Wellington Jr. à presidencia da CGADB

Dilma Rousseff tem doutorado em mentira, diz Magno Malta

O senador acredita que cortar a quantidade de ministérios pela metade é uma forma de economizar Durante a sessão conjunta que aconteceu no Congresso na noite desta quarta-feira (11), o senador Magno Malta voltou a criticar a presidente Dilma Rousseff, dizendo que a população brasileira não pode pagar pelos erros financeiros cometidos por ela e por sua equipe.
Os parlamentares estavam reunidos para votar em nove vetos presidenciais e ainda a respeito do Projeto de Resolução do Congresso Nacional de nº 1, de 2015 que altera procedimento de apreciação dos vetos presidenciais.
Malta não mediu palavras e confrontou a presidente: “Qual das duas Dilmas? A Dilma de quatro meses atrás ou a Dilma de hoje? Porque a quatro meses atrás o diabo era o pai da mentira e ela era a mãe. A de hoje tem especialidade e doutorado”, disse ele falando sobre o discurso do último domingo (8) que Dilma Rousseff negou qualquer responsabilidade sobre os problemas financeiros do país culpando a crise internacional de 2009.
“A presidente Dilma está propondo cortar na carne, na nossa carne. Ela está dando beliscão no nosso braço. Cortar na carne é na própria carne”, disse a respeito das medidas econômicas adotas pelo governo.
O senador capixaba afirmou que há como enfrentar os problemas financeiros sem aumentar juros e os impostos, dando o exemplo do corte do número de ministérios, que para ele, não possuem atividades relevantes.
“Só existe um caminho, se ela pode fazer, o tapete da humildade pode salvá-la”, recomendou o senador dizendo que a Dilma Rousseff foi arrogante em seu discurso no Dia Internacional da Mulher. “A crise é grande sim”, afirmou o parlamentar.
Sobre os projetos a serem votados, Malta acredita que é uma tentativa do governo tirar o peso de seus ombros e lançá-los sobre o Congresso para dentro de alguns anos se apresentarem como “salvadores da Pátria”, sobre isso o senador afirmou: “me engana que eu gosto!”.
Assista: