16 dezembro, 2014

“Cristianismo é a religião mais perseguida do mundo”, afirma estudiosa

Defensora de direitos humanos pede que cristãos se mobilizem politicamente
Pergunte para a maioria dos evangélicos brasileiros sobre a vida dos artistas gospel e eles possivelmente saberão dizer alguma coisa sobre o assunto. Questione sobre os ensinamentos de líderes influentes, que possuem programas de TV, e uma parcela considerável mostrará conhecimento sobre o tema. Contudo, se perguntados sobre a situação dos cristãos que sofrem perseguições pelo simples fato de crerem em Jesus, certamente o quadro é outro.
A popularidade da chamada “teologia da prosperidade” impede que as igrejas de modo geral estejam familiarizadas com o tema do sofrimento, ainda que ele esteja presente em boa parte do Novo Testamento. O silêncio quase absoluto da grande mídia brasileira sobre o assunto ajuda a reforçar o desconhecimento sobre um assunto tão atual e relevante.
O lançamento do livro “Perseguidos: O Ataque Global aos Cristãos” (Mundo Cristão) vem suprir essa lacuna. Escrito por Paul Marshall, Lela Gilbert e Nina Shea, a obra reúne uma série de informações atuais sobre a situação de diferentes ramos do cristianismo em várias partes do mundo. Em resumo, procura comprovar por que o cristianismo é a religião mais perseguida do mundo.
O texto, em estilo jornalístico, reúne relatos do que está por trás das estatísticas. Dá um nome aos que chamamos genericamente de “perseguido”, descreve as suas famílias, igrejas e condições de vida. Preocupa, entristece e desafia o leitor à oração e ação!
O portal Gospel Prime entrou em contato com Nina Shea e conversou sobre a urgência do tema. Advogada de formação, atua como defensora de direitos humanos, sobretudo a liberdade religiosa. Ela conta que a defesa dos cristãos perseguidos pela sua fé é sua vocação, tendo sido impactada ainda na década de 1980 ao saber que irmãos e irmãs eram espancados e mortos na China por se recusarem a renunciar a Jesus Cristo.
Nina explica que “o testemunho deles afetou profundamente a minha própria jornada espiritual e senti a necessidade de chamar a atenção para essa injustiça através de meus textos e palestras”. No livro, ela conta como o Insituto Hudson, do qual faz parte, tem ajudado a influenciar a política externa americana, despertando as autoridades para a questão da perseguição religiosa, sobretudo contra os cristãos.
Para a autora, ao conhecermos melhor sobre a realidade da chamada igreja perseguida, “podemos aprender verdadeiramente sobre fidelidade, amor e heroísmo”. Eles são inspiração para nossa própria fé. Menciona como exemplo a história de Meriam Ibrahim, que foi presa no Sudão acusada de apostasia. Mesmo estando grávida e sendo condenada a morte, permaneceu firme em sua decisão de seguir a Cristo.
São histórias como essa que Nina reuniu no livro que ajudou a escrever e, segundo ela mesma, “sendo inspiradoras e edificantes, merecem ser contadas. Além disso, ajudam a combater a ‘miopia secular’”. Ou seja, a maneira distorcida que os cristãos que vivem em países onde não há perseguição veem essa questão.
Para a advogada, parte da responsabilidade desse assunto ser pouco debatido é dos nossos líderes cristãos, “que estão relutantes em falar sobre isso por medo de serem rotulados como intolerantes, islamofóbicos ou algo do tipo”.
Ativista pelos direitos humanos, como cristã, Nina Shea reconhece a importância do tabalho de missões como Portas Abertas e Voz dos Mártires. Ressalta que elas colaboram em muito com o alívio ao sofrimento dos cristãos, mas esclarece que é preciso mais engajamento das igrejas.
“Muitas outras vozes são necessários para fazer a diferença, para fazer os nossos líderes políticos ouvirem e trabalharem para isso de maneira diplomática”, insiste.
Ao ser questionada sobre a atuação de grupos como Estado Islâmico, Boko Haram e outros, que matam cristãos frequentemente, Nina Shea faz um apelo: “Nós, cristãos, devemos orar, nos informar e agir politicamente em nome desses irmãos e irmãs que estão sendo perseguidos em tantos lugares”.
Insiste ainda que muitos cristãos foram libertos da prisão após a pressão internacional com cartas enviadas para os governos responsáveis e, claro, campanha de oração por eles. De fato, no Brasil o assunto é pouco comentado na esfera pública. Uma das exceções é o trabalho do deputado Marco Feliciano, que se destacou na defesa dos pastores Yousef Nadarkhani e Saeed Abedini, que foram presos e torturados por sua fé.
A autora de “Persguidos”, explica que embora os Estados ou territórios que sigam a sharia – lei religiosa muçulmana – representem uma ameaça à liberdade religiosa especialmente dos cristãos, o Islã não deveria ser visto como “o inimigo”. Até porque, não é a única religião que gera perseguição.
“Nossa preocupação deveria ser a propagação de todos os grupos que não toleram os cristãos e procuram persegui-los, converte-los ou matá-los. O foco precisa ser as medidas urgentes para parar a limpeza religiosa no Iraque, Síria, Somália, norte da Nigéria, e outros lugares onde ela ocorre”.
O aumentode perseguiçãoaos cristãos nos últimos anos é comprovado estatisticamente. Para Nina, por mais que ele se acentue, não irá extinguir a religião cristã. “Oséculo passadoviuo massacre armêniona Turquia, o genocídio no Sudão, além dos esforços deStalinna União Soviéticae deMaona China paraacabar como cristianismo.Essasperseguiçõestiraram a vida demilhões de cristãos, mas o cristianismo continua vivo está crescendo emtodos esses lugares”, ressalta.
O melhor exemplo, segundo ela, é o avivamento que experimenta a China, onde o governo tenta controlar todas as igrejas. “Estima-se que haja ali mais de 100 milhões de cristãos, número maior que os membros do seu Partido Comunista. Especialistas preveem que a China terá um quarto de bilhão de cristãos em 15 anos. Há mais cristãos indo à igreja no domingo de manhã na China, que em toda a Europa Ocidental”, encerra.
Assista:

Igreja evangélica é assaltada pela quinta vez em Caruaru

Os equipamentos roubados somam um prejuízo de R$ 10 mil
Igreja evangélica é assaltada pela quinta vez em CaruaruIgreja evangélica é assaltada pela quinta vez em Caruaru
A igreja Assembleia de Deus de Cidade Jardim, em Caruaru (PE) foi assaltada pela quinta vez tendo um prejuízo de R$ 10 mil. O assalto aconteceu na semana passada e chamou a atenção da imprensa local.
Os bandidos entraram no templo arrombando as janelas e levaram  aparelhos eletrônicos como mesa de som, DVD, equalizador, controlador, computadores e outros equipamentos.
“Lamentavelmente esta é a quinta vez que acontece aqui na nossa igreja”, disse o pastor Isaque Ferreira, responsável pela igreja. Por conta dos assaltos, a rotina da denominação foi alterada, incluindo os horários dos cultos.
“A gente fica triste, porque é fruto de um trabalho de anos para beneficiar. Infelizmente não há respeito mais nem pela casa de Deus”, afirmou.
O número de furtos em igrejas católicas e evangélicas é cada maior em todas as regiões do Brasil, em muitas delas as denominações precisam tomar providências como instalar câmeras de segurança, reforçar portas e janelas e até mesmo seguir o exemplo da Assembleia de Caruaru que é trocar os horários dos cultos.
Os bandidos assaltam templos em busca dos equipamentos eletrônicos como microfones, equipamentos de som, computadores e até mesmo o dinheiro arrecadado dos fiéis. Com Informações NE10.

Emissoras de TV lucram R$ 1 bilhão com programas religiosos

Se o Ministério Público conseguir impedir o aluguel de programação, muitos canais terão problemas financeiros
A ação movida pelo Ministério Público Federal contra a Rede 21 e a CNT por conta dos horários alugados para a Igreja Universal do Reino de Deus está preocupando outros empresários donos de emissoras.
Segundo o portal Notícias da TV, a Record, a Band e a Rede TV! temem que as ações civis públicas sejam revertidas contra elas que também alugam parte de suas grades para igrejas evangélicas.
Fontes do mercado afirmam que anualmente as igrejas gastam mais de R$ 1 bilhão por horários nos principais canais de TV. Para se ter uma ideia a Rede Record, cujo dono é Edir Macedo, fundador e líder da IURD, fatura R$ 250 milhões por ano só para exibir os programas religiosos.
Na Rede TV! a quantia arrecadada através dos programas evangélicos chega a ser 20% de todo o faturamento do canal que vende 12 horas de sua grade para igrejas como Assembleia de Deus Vitória em Cristo, Igreja Universal do Reino de Deus, Igreja Internacional da Graça de Deus e outras.  No total são R$ 14 milhões arrecadados por mês, o que chega a R$ 168 milhões por ano.
A mesma fonte revela que a Banda recebe cerca de R$ 8,5 milhões mensais por exibir a programação do missionário R.R. Soares no horário nobre. “Show da Fé” é um dos programas mais lucrativos da emissora, mesmo impactando de forma negativa no ibope.
As 22 horas diárias da IURD nos canais Rede 21 e CNT gera um gasto milionário para os cofres da igreja, a Rede 21 cobra R$ 120 milhões e a CNT R$ 60 milhões.
Para o Ministério Público as duas emissoras estão infringindo a lei por oferecerem mais de 25% de sua programação para “espaço publicitário”, termo usado no contrato para tentar burlar as leis brasileiras. Com Informações Notícias da TV.

Crianças de 9 religiões falam o que Deus representa para elas

Cada uma delas explicou Deus de uma forma e fez um desenho para mostrar como encara a fé
A Folha de São Paulo ouviu crianças de 9 religiões diferentes para mostrar o que os pequenos pensam sobre Deus e quais são os seus maiores pedidos ao ser divino.
As crianças ouvidas professam as crenças: budismo, candomblé, judaísmo, rastafári, islamismo, cristianismo protestante, catolicismo, união do vegetal e espiritismo.
Meninos e meninas entre 6 e 11 anos deram as respostas mais diferentes sobre suas crenças, mostrando formas diferentes de acreditar em um Deus quer seja chamado de Alá ou de Oxum. Além de explicarem o que pensam sobre Deus as nove crianças também fizeram desenhos que expressam suas visões sobre o tema.
Para Ariom Scheffler, 11 anos, budista, Deus não é um ser físico. “Não tem um Deus físico, Deus é tudo e tudo é Deus”, disse. “Ele é feito de luz. O arco-íris, no budismo, representa uma pessoa com coração iluminado”.
Manuella Araújo da Costa, 10 anos, candomblé, afirmou que para ela Deus é Oxum. “Oxum é a santa que me protege. Ela tá no mato, para curtir a vida”. A pequena ainda relatou um caso de intolerância religiosa que sofreu na escola: “Uma professora uma vez contou que um lobo ia na porta da criança que não é batizada [como cristã]. Fiquei com medo, chorando”.
A reportagem publicada na revista Serafina também mostra o depoimento de Luke Saul Jospa, 9 anos, judeu, que deu sua visão sobre Deus de uma forma bem diferente.
“Para nós não tem inferno, só céu. Assim: vamos fingir que você está no teatro. Se foi uma boa pessoa, ficaria na frente, mais perto de Deus. Se foi uma ruim pessoa, ficaria lá atrás”.
A pequena Núbia Selassie Cestaria Granello, 6 anos, é da religião rastafári e fala no deus Jah se referindo à ele como sendo as batidas de seu coração. “Ele e o meu coração e fica batendo em todos os momentos. Peço a Jah que o mundo fique bem limpinho”, disse Núbia.
Devota da religião União do Vegetal (dissidência do Santo Daime), Darah Cally Patrício, 8 anos, diz que é legal beber ayahuasca e que a bebida dá vontade de dar risada. “É muito legal beber. Tem gente que vomita, mas eu não sinto medo, sinto amor. E vontade de rir muito! Já vi árvores falando comigo”.
O muçulmano Mohamed Hussein Abid Ali, 8 anos, deu uma resposta direta sobre o que Deus representa para ele. “Deus é tudo para mim”. O pedido mais comum do garoto nos últimos dias é para que chova.
Pietra Hanna Castanho, 10 anos, é evangélica e definiu Deus como alguém que a ama e a ilumina. “Deus nos ama e nos ilumina. Ele me ajuda quando alguém briga comigo”, afirmou.
Frequentadora do espiritismo, Clara Veiga Carvalho, 10 anos, compara a reencarnação com a metamorfose da borboleta. “Deus criou a borboleta. Ela é bonita e feliz. Começa como se fosse um bicho horroroso, gosmento, e vira uma borboleta linda. É como o espírito que reencarna: você vai crescendo e evoluindo”.
A católica Beatriz Dias Samuel, 8 anos, diz que “Deus estão no meio do coração de todo mundo” e que para ela, Ele é um ser com cabelo longo porque “no antigo tempo não cortavam cabelo”. Com Informações Folha de São Paulo.

09 dezembro, 2014

Marco Feliciano faz campanha para pagar cirurgia de ex-travesti

Talita de Oliveira quer voltar a ter aparência masculina e quer arrancar as próteses de silicone
O deputado Marco Feliciano postou em seu Facebook um pedido de um membro da igreja Assembleia de Deus Ministério Madureira em Rio Branco (AC) que quer pagar a retirada de silicones de um travesti que quer deixar a prática.
O travesti em questão já ganhou destaque na rede social do deputado paulista ao aparecer em um vídeo criticando o ativismo gay e defendendo a família tradicional. Querendo voltar a assumir sua identidade de homem, Talita de Oliveira quer retirar as próteses nos seios depois de ter cortado os cabelos.
O evangelista Elieser Fidelis se solidarizou com o caso e resolveu criar uma campanha para arrecadar o dinheiro necessário para pagar a cirurgia. Com mais de 1,8 milhão de seguidores na rede social, Feliciano resolveu divulgar a campanha.
No texto o deputado evangélico relata que Talita tem alguns problemas de saúde e muita vontade de voltar a ter uma aparência masculina. As doações para essa causa podem ser feitas pela internet através do site Vakinha. O objetivo é alcançar R$ 70 mil para pagar a cirurgia.
Para ajudar acesse o site www10.vakinha.com.br

Rolezeiro se converte e quer se tornar pastor e político

O jovem de 18 anos abandonou a vida de ostentação e agora trabalha na Assembleia Legislativa de São Paulo
Vinícius Andrade, 18 anos, se tornou famoso no ano passado por ser um dos líderes dos chamados “rolezinhos”, encontros de adolescentes de periferias em shoppings center.
Essa semana o jovem voltou a ser notícia por conta de sua transformação: convertido, o jovem pensa em se tornar pastor adventista e não curte mais bailes funks e nem leva uma vida de ostentação.
“Sai do rolezinho porque vi muitos amigos irem para o lado errado e tinha muito assédio da mídia em cima de mim. Hoje, eu quero salvar vidas. Agora quero ser líder na religião e na política”, disse ele.
Vinícius hoje trabalha no gabinete de um deputado estadual do PR (Partido da República) e sai todos os dias do Jardim Vaz de Lima, na Zona Sul de São Paulo, para trabalhar na Assembleia Legislativa que fica ao lado do Parque Ibirapuera.
A mudança de vida é vista em sua forma de vestir, as camisetas de marca, os bonés, bermudas e tênis foram trocados por roupas sociais, terno, camisa, calça e sapato. Suas roupas antigas foram doadas aos amigos e sua conta no Facebook que tinha 200 mil seguidores foi cancelada.
“Há muita inveja. Os caras olham você todo popular, cheio de minas e querem te tirar. Há muita maldade. Isso é um dos motivos porque parei com a ostentação, de querer mostrar o que eu tenho”, disse.
O jovem se tornou famoso nas redes sociais por conta de seus vídeos com piadas que ele postava, logo em seguida passou a ganhar destaque por posar em fotos sexys e as fãs foram surgindo até que ele marcou um encontro com seus seguidores virtuais virando um “rolezinho”.
Outros criadores desse fenômeno que deixou donos de lojas e frequentadores de shoppings apavorados não viram a mesma oportunidade que Vinícius: Lucas Oliveira Silva de Lima 18 anos, foi morto em abril depois de ser espancado em uma briga durante um baile funk. Leonardo Henrique Soares Alvarenga, 16, foi morto em outubro com um tiro disparado por um amigo. Com informações UOL.

Vídeo mostra Katy Perry quando era cantora gospel

Na época ela estava lançando seu CD evangélico com algumas composições autorais
Um cinegrafista divulgou um vídeo de 13 minutos mostrando imagens feitas em 2001 quando a cantora Katy Perry era uma jovem de 16 anos que cantava música gospel respondendo pelo nome de Katy Hudson.
A jovem vista no vídeo de Jum Standrige é bem diferente da cantora pop que atrai multidões de fãs nos dias de hoje, mais recatada e cantando canções de amor a Deus ela pouco se parece com a pop star que fez sucesso com a música “I Kissed a Girl”.
Katy só lançou um álbum gospel, o disco seguia a linha de rock cristão. É possível acompanhar no vídeo a apresentação da jovem em um dos eventos para divulgar o disco. A cantora tocava guitarra e violão e ainda assinava a composição de quatro faixas do disco.
Standrige acompanhou Katy em seu motorhome e mostrou como ela se preparava para uma apresentação além de conversar com a jovem sobre alguns problemas pessoais, entre eles repetir a nona série.
O material completo do cinegrafista tem 90 minutos, mas o trecho publicado já ganhou os fãs da cantora que puderam conhecer um pouco mais sobre esse passado pouco comentado por ela.
Katy Perry é filha de pastores americanos, mas se afastou da igreja alguns anos após o lançamento do disco, passando a investir na carreira secular sendo hoje uma das representantes da música pop mais famosas do mundo. Com informações UOL.
Assista:

Toda criatura ao nascer é muçulmana, diz estudioso em livro

A obra fala sobre as bases da crença e mostra como os muçulmanos veem o mundo
No islamismo todas as pessoas nascem muçulmanas, por estarem submissas a Alá. Essa submissão é o significado da palavra Islã, segundo ensina o xeque Taleb Hussein al-Khazraji no livro “Islamismo” lançado pela Bella Editora.
Na obra, que faz parte de uma coleção sobre religiões, o xeque fala sobre algumas bases do islamismo dizendo que com o passar do tempo muitos vão perdendo essa submissão. “Ao crescer, no entanto, afasta-se dessa condição natural”, escreve.
Segundo o livro ser muçulmano não é uma condição exclusiva dos árabes que representam apenas 15% dos seguidores do Islã em todo o mundo. A religião é a fé que mais cresce e está presente em todos os continentes.
Para ser considerado um muçulmano é necessário abraçar a fé segundo Alá revelou aos profetas, também considerados “iluminados”, incluindo Maomé que foi o último profeta a receber a revelação de Alá através do anjo Gabriel.
O Alcorão contém as escrituras desses profetas e traz as regras para quem quer servir a Alá. “A lei divina constante nele é a lei que permanecerá vigente até o dia do Juízo, quando toda a humanidade responderá perante Deus”.
Para quem crê, esses ensinamentos passados pelos profetas trazem unidade, humildade, perdão, justiça social, amor fraterno e a necessidade de observar as provas da bondade de Alá em toda a criação.
Comparando o livro sagrado do Islã com o de outras religiões, o xeque afirma que o Alcorão é o único que continua fiel ao longo dos anos. “Os livros sagrados anteriores sofreram profundas alterações, e muito dos seus originais se perderam com o passar dos séculos”.
Pós-graduado em ensinamentos do Alcorão, jurisprudência e pensamento islâmico, Taleb Hussein al-Khazraji trabalha na Mesquita Mohammad Mensageiro de Deus que fica no Brás, em São Paulo, desde 1989. Com informações Folha de SP

02 dezembro, 2014

Consciência Cristã terá participação das maiores editoras do país

Vida, Vida Nova, Fiel, CPAD, Cultura Cristã e Hagnos estarão na FELICC
Faltam menos de 80 dias para a Consciência Cristã, evento que acontecerá na cidade de Campina Grande – Paraíba, durante os dias 12 a 17 de fevereiro de 2015. Serão, ao todo, 89 palestras, distribuídas em 16 eventos paralelos, e 18 preleções em 10 plenárias, destinados aos mais diversos públicos, atingindo todas as faixas etárias.
Os eventos contarão com a presença de 26 palestrantes, dentre eles, Josh McDowell, Justin Peters, Hernandes Dias Lopes, Adauto Lourenço, Paulo Junior e outros.
Mas, além dessa porção de palestras que você pode escutar gratuitamente mediante inscrição, também ocorrerá a 3ª Feira do Livro da Consciência Cristã – FELICC, para que você possa ser edificado com obras das principais editoras cristãs do país. Assim como no ano passado, contamos com a presença da Sociedade Bíblica do Brasil, a Betel Publicações, e as editoras Vida, Vida Nova, Fiel, CPAD, Cultura Cristã e Hagnos, além da Visão Cristocêntrica Publicações, editora oficial da Consciência Cristã. As novidades para 2015 serão as participações das editoras RBC e PES.
Durante a 3ª FELICC, todas as obras expostas terão um preço promocional exclusivo para o evento e formas especiais de pagamento.
Além da FELICC, outro destaque na estrutura da Consciência Cristã é o Restaurante Maná, que será montado na parte inferior do Parque do Povo. O restaurante, pelo segundo ano consecutivo, servirá refeições e lanches as milhares de pessoas que participam do evento, tanto da cidade como turistas. Desta vez, o local estará ainda mais bem estruturado e pronto para atender os pedidos de todos os participantes.
Toda a renda de ambas as ações será revertida para a realização do evento, colaborando no pagamento despesas do encontro, já que o mesmo é gratuito.
A participação no 17º Encontro para a Consciência Cristã depende de inscrição gratuita, que pode ser feita no site oficial do evento: www.conscienciacrista.org.br

Número de cristãos na China supera o dos filiados ao Partido Comunista

Igrejas lotadas estão deixando os líderes comunistas furiosos
O governo comunista da China tem demonstrado sua fúria contra os cristãos nos últimos tempos derrubando igrejas, prendendo líderes das igrejas que não se submetem ao regime, chamadas de clandestinas. Também aumentou o número de “sacerdotes” obedientes ao regime nas igrejas “oficiais”. Por trás dessa escalada da repressão, o verdadeiro motivo é o rápido crescimento da população de cristãos na China. Algo que o governo não esperava e não deseja.
Oficialmente, existem hoje cerca de 100 milhões de cristãos no país mais populoso do mundo. Estudiosos acreditam que o número pode ser 3 vezes maior. Ao mesmo tempo, o Partido Comunista Chinês continua seus esforços para recrutar novos membros ao longo dos últimos anos, abrindo as suas fileiras para intelectuais e empresários e outras classes anteriormente “suspeitas”, por defenderem o capitalismo.
Ainda assim, os membros totalizam 86,7 milhões, sendo que a maioria é comunista só de nome. Isso pode ser visto como um fracasso do regime, que desde a revolução na década de 1940, defende que o povo chinês não deveria acreditar em nenhum deus.
As milhares de igrejas derrubadas ou confiscadas por ordem do Partido durante os anos 1950 e 1960 foram quase todas reconstruídas ou reformadas. Em algumas delas, missas vêm sendo celebradas de forma contínua há mais de 220 anos.
Na verdade, o Movimento Patriótico da Tríplice Autonomia Igreja Protestante e a Associação Patriótica Católica Chinesa foram estabelecidos pouco depois da revolução comunista, ficando sob a direção do Partido Comunista. O objetivo era isolar as igrejas no país e controlá-las tanto quanto fosse possível. Por exemplo, como a China não tem relações oficiais com o Vaticano oficialmente, a inferência do Papa sobre a Igreja Católica da China não é reconhecida.
Na última década, muitas novas igrejas foram construídas, às vezes com permissão oficial, às vezes sem. Quando o governo local nega permissão para construir uma igreja, os moradores constroem um “salão social”, onde os encontros são realizados. Embora seja um movimento mais recente, o número de evangélicos na China está crescendo muito mais rápido que o número de católicos.
De acordo com um estudo da Academia Chinesa de Ciências Sociais, pelo menos 45 milhões de evangélicos estão organizados em igrejas domésticas. O número de católicos na China é estimado em cerca de 12 milhões, segundo a organização católica Centro-China. O número de católicos registrados é perto de seis milhões, tão alto quanto os membros das igrejas católicas clandestinas.
O cristianismo na China tem uma longa história. Os cristãos nestorianos chegaram ao país no século 7, mas tiveram poucas conversões. Os jesuítas desembarcaram no século 16, acreditando que se pudessem converter o imperador, milhões de chineses também abraçariam a fé. Isso não aconteceu. Havia liberdade de culto e os missionários evangélicos chegaram ao país no século 19. Com a revolução comunista no século 20, em muitas regiões o cristianismo foi considerado extinto.
Porém, a abertura maior para o ocidente nos últimos anos também “afrouxou” a perseguição em algumas regiões. A Constituição afirma que os cidadãos chineses “gozam de liberdade de crença religiosa.” Ao mesmo tempo, o Estado proíbe organizações públicas de qualquer religião. Contudo, em 2012 o governo da China lançou uma campanha de três fases para erradicar todas as igrejas evangélicas do país.
Estudiosos acreditam que o quadro atual seja irreversível, embora o Partido Comunista continue criando “ondas” de perseguição, como a destruição de monumentos cristãos ou a recente ordem para retirar as cruzes de todas as igrejasCom informações de Aleteia

Copa do mundo de futebol cristão acontece em dezembro na Índia

Oito seleções irão participar de competição
Copa do mundo de futebol cristão acontece em dezembro na ÍndiaCopa do mundo de futebol cristão acontece na Índia
A Copa do Mundo Expo Unity de Futebol será realizada em dezembro no estádio Nehru, em Goa, Índia. O evento, promovido pela Fundação para o Esporte de Goa e Associação de Futebol de Goa (GFA), recebeu o apelido de “Copa do mundo de futebol cristão”.
Seus idealizadores querem aproveitar o aumento da popularidade do esporte no país. Este ano surgiu a Super Liga de Futebol, cujo primeiro campeonato está sendo disputado e conta com vários jogadores de renome mundial.
Segundo Elvis Gomes, presidente da GFA, a Copa do Mundo Expo Unity inclui as seleções do Brasil, Nigéria, Gana, Portugal, Egito, Uzbequistão e Colômbia, além da anfitriã Índia. Já foram sorteados os dois grupos para a competição que tem apoio da FIFA e seguirá o mesmo modelo de enfrentamento da Copa.
O evento rompe paradigmas antigos. O esporte nacional indiano é o Críquete e a religião majoritária é o hinduísmo.  Além das partidas, os jogadores irão ministrar clínicas de futebol para os jovens indianos.
A abertura ocorrerá no dia 5 de dezembro e no dia seguinte o Brasil jogará sua primeira partida enfrentando a Índia. A final ocorrerá dia 14. Além de Goa, Hyderabad e Bangalore serão as cidades-sedes.
A equipe brasileira é composta de evangélicos que já jogaram por grandes clubes do Brasil, como Grêmio, Internacional e Corinthians.
Goa foi colônia de Portugal e a maioria de sua população é cristã. Segundo o site oficial, “o objetivo deste torneio é trazer uma relação mais estreita entre as crianças e a Igreja. Usar o evento para ajudar a aproximar os jovens de Deus através de várias experiências pessoais sendo compartilhadas por jogadores de diferentes partes do mundo”.
O jogador evangélico Chiquinho, 31, que atuou pelo Internacional no início dos anos 2000 e fará parte da Seleção Brasileira, participa em Porto Alegre de um projeto evangelístico que usa o futebol, o Aspirantes de Cristo. Ele comemora a oportunidade de atuar no evento internacional:  “Essa é uma oportunidade para mostrarmos nossas habilidades profissionais e oferecermos testemunhos de superação e fé aos povos de diferentes países”. Com informações de Times of IndiaMedhaj News e Correio do Povo

Papa diz que cristãos e muçulmanos são “irmãos viajando pelo mesmo caminho”

Francisco visita a Turquia e faz orações ao lado de líder islâmico.
Mais uma vez a Turquia é o centro das atenções no que se refere ao movimento ecumênico cristianismo-islamismo. O papa Bento XVI, que visitou o país em 2006, havia feito orações ao lado do grão-mufti de Istambul, um dos mais importantes líderes religiosos turcos. O detalhe é que o fez seguindo as tradições islâmicas, com a cabeça voltada pra Meca, local de nascimento do profeta Maomé. Na ocasião, o papa alemão recebeu críticas tanto de católicos quanto de muçulmanos conservadores.
O ato foi repetido pelo papa Francisco neste sábado (29) em seu segundo dia de visita oficial à Turquia. Na Mesquita Azul, importante local de adoração islâmico, na cidade de Istambul. Ele estava ao lado de Rahmi Yaran, atual grão-mufti. Durante a cerimônia, o papa seguiu a tradição islâmica, retirando seus sapatos ao entrar no templo.
Desde o primeiro dia da visita, Francisco apelou por um “diálogo intercultural e inter-religioso”. Curiosamente, do lado de fora, crianças em idade escolar seguravam bandeiras da Turquia e do Vaticano. Eles gritavam “Viva o Papa Francisco” ao mesmo tempo em que o minarete da praça central chamava os muçulmanos para a oração.
Ontem, durante sua passagem em Ancara, o papa Francisco exortou a Turquia e o Oriente Médio a participar de um “diálogo intercultural e inter-religioso” e pediu o fim “de todas as formas de fundamentalismo”.
Por sua vez, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, depois de seu encontro com Francisco, afirmou ter preocupação com o aumento da “islamofobia” no mundo. Pediu ainda que cristãos e muçulmanos se unissem para lutar contra o preconceito.
A visita do pontífice é vista por analistas como um esforço para fomentar as relações inter-religiosas. Ao falar sobre a guerra no Iraque e na Síria, onde membros do Estado Islâmico rotineiramente matam cristãos, enfatizou seu desejo de ver “a solidariedade de todos os crentes”, equivalendo fiéis católicos e muçulmanos.
Pediu ainda que “fosse mais fácil verem uns aos outros como irmãos e irmãs que estão viajando pelo mesmo caminho”. Tal declaração seria vista com horror durante boa parte da história, principalmente na Idade Média quando os dois grupos travaram guerras sangrentas, chamando-se mutuamente de “infiéis”.
O esforço de união religiosa continuou no encontro com o Patriarca de Constantinopla, Bartolomeu I e líderes de todas as outras comunidades cristãs turcas. O encontro foi um passo importante na tentativa de reunificação das duas vertentes do cristianismo, separadas há quase mil anos.
Os dois líderes firmaram uma declaração conjunta que mostra a disposição de reatar os vínculos rompidos. O papa insistiu que o Vaticano “não pretende impor nenhuma exigência, exceto a profissão de fé comum”.
Esse é um episódio significativo diante do fato que a população cristã turca diminuiu muito no último século. Vários líderes temem que o fato de Erdogan defender veementemente o islamismo, ao contrário de muitos e seus antecessores, signifique uma postura cada vez menos tolerante, especialmente após a nação receber quase dois milhões de refugiados da Síria, a maioria de origem cristã.
O fato de Francisco ter demonstrado tanta aproximação com os muçulmanos na Turquia chama atenção. O último grande império a levar a mensagem de submissão a Alá foi o Otomano, cuja sede ficava na atual Turquia.
Recentemente, ocorreu na capital Istambul o encontro da União Internacional de Sábios Muçulmanos, chamada por especialistas em profecias bíblicas de “Confederação do Anticristo”. Este mês, a cidade também hospedou um encontro de líderes muçulmanos da América Latina, que estabeleceu planos para o avanço do islamismo no único continente do mundo onde eles não têm presença significativaCom informações de Christian Post e Folha de SP