19 janeiro, 2015

Pesquisa inédita: As cantoras evangélicas que mais vendem no Brasil

A música pentecostal é um dos seg
mentos do mercado evangélico mais lucrativo, não é por menos: 60% da população evangélica do Brasil pertence a uma igreja pentecostal.
Nesta fatia do mercado fonográfico há nomes que fazem sucesso por mais de três décadas e outros que começaram a se destacar nos últimos cinco anos, como é o caso da cantora Damares, que mesmo com mais de 20 anos de carreira começou a liderar o mercado (passando até nomes do meio secular) nos últimos anos depois de fechar contrato com a Sony Music.
Em cada região do país há um cantor que se destaca, muitos deles não fazem parte de gravadoras de peso o que dificultaria levantar dados exatos sobre os cantores mais conhecidos desse segmento.
Para levantar esses nomes o Gospel Prime decidiu entrar em contato com livrarias evangélicas de todas as regiões para fazer esse levantamento inédito* que mostra os cantores pentecostais que mais vendem no Brasil.
Confira:
1. Damares – Os CDs “Diamante” e “O Maior Troféu”, ambos lançados pela Sony Music, são os discos pentecostais que mais vendem no país, dando à cantora a primeira posição na lista;
2. Vanilda Bordieri – Com o lançamento de “Na Tua Vontade” a cantora passou para o segundo lugar entre as cantoras que mais vendem;
3. Cassiane – Ela que antes liderava a lista das cantoras mais famosas do segmento, hoje está em terceiro lugar segundo a pesquisa feita com os lojistas, seu último CD foi lançado em 2013 (Um Espetáculo de Adoração);
4. Rose Nascimento – A cantora lançou “O Menor da Casa” como artista independente pelo selo RN Produções, o álbum vendeu mais de 80.000 cópias;
5. Lauriete – A cantora Capixaba tem 32 anos de ministério e ainda é uma das cantoras pentecostais de maior representatividade no segmento;
6. Elaine Martins – A cantora da Assembleia de Deus dos Santos dos Últimos Dias (ADUD) lançou seu primeiro disco com a MK Music “Santificação” e passou a vender muitos mais CDs pelo país;
7. Mara Lima - A cantora paranaense tem mais de três décadas de ministério e tem um público forte no Sul e no Sudeste do país. Todos os seus discos vendem no mínimo 150 mil cópias;
8. Bruna Karla – A cantora recebeu o Disco de Platina Duplo pelo CD “Aceito o Teu Chamado”, mas na época da pesquisa as vendas do álbum já haviam caído.
9. Shirley Carvalhaes – Prestes a completar 40 anos de ministério, a cantora ainda é uma das principais representantes do pentecostal. O seu mais novo trabalho “O Tempo de Cantar Chegou” ganhou Disco de Ouro.
10. Elaine de Jesus – Reconhecida mundialmente por sua bela voz mezzo-contralto, a cantora lançou em 2014 o CD e DVD “Elaine de Jesus – 20 anos”, mas poucos lojistas indicaram uma boa vendagem do disco.

Nomes fortes do mercado

A pesquisa com os lojistas mostrou nomes fortes do mercado pentecostal, incluindo nomes promissores como Amanda Ferrari, que foi indicada como cantora Revelação no Troféu Promessas de 2012 e que ainda hoje conquista fãs em diversas regiões do país.
Entre os nomes apresentados de cantoras que vendem muitos CDs de Norte a Sul do Brasil ainda temos: Eliane Silva, Antônia Gomes, Tangela Vieira, Eliane Fernandes, Michele Nascimento, Flordelis, Jozyanne, Ariely Bonatti, Léa Mendonça, Daniele Cristina, Eliã Oliveira e Andrea Fontes.

Os homens do pentecostal

A música pentecostal é bastante conhecida por suas representantes femininas, mas os lojistas mostram que há muitos varões, no linguajar pentecostal, que também fazem sucesso, ainda que seja menor em comparação com as mulheres.
A lista é liderada pela grande sensação do momento do mercado gospel: o cantor Anderson Freire, que lançou o CD “Raridade” pela MK Music. O cantor não é representante da música pentecostal, mas por assinar como compositor grandes sucessos do segmento, acabou ganhando a admiração dos fãs desse estilo musical. Infelizmente o artista não teve tempo de responder a entrevista que enviamos para que ele comentasse o sucesso deste trabalho.
Fora ele os lojistas indicaram nomes como: Pastor Melvim, Elias Silva, Tiago de Acari, Gerson Rufino, Marcos Antônio, Giovani Brasa Viva, Cícero Mendes e ainda os ministérios Fogo no Pé e Ardendo em Fogo.
* Pesquisa realizada em outubro de 2014

Leis anti-homofobia estimulam a homofobia, afirma jornalista

Reinaldo Azevedo comenta o PL 122 e o novo texto que tenta criminalizar a homofobia
O jornalista Reinaldo Azevedo, da Veja, comentou em seu blog o arquivamento do PL 122/2006 e o novo projeto de lei apresentado pela deputada Maria do Rosário (PT-RS) que também tenta criminalizar a homofobia.
Assim como o projeto arquivado – por tramitar durante duas legislaturas seguidas sem ser aprovado – o 7582/2014 visa aumentar a pena de crimes já determinados no Código Penal quando realizados contra homossexuais.
Em seu texto, Azevedo lista alguns artigos do projeto de lei que foi arquivado esta semana mostrando que o texto tentava dar privilégios a homossexuais, classificando como criminosos quem tiver valores diferentes.
“O diretor de uma escola infantil poderia ir para a cadeia caso julgasse inconveniente contratar um travesti para dar aula no primeiro ano do ensino fundamental”, exemplifica o jornalista citando o artigo 4 do PL 122.
“Alguém indagará: ‘Mas o Jurandir que se apresenta como Gislaine não pode ser a tia da escolinha?’. Acho que rende um bom debate, mas, em princípio, defendo que os estabelecimentos privados de ensino sejam livres para contratar e para demitir segundo os seus valores, sem ter de provar que não são criminosos”, escreve o colunista.
O PL 7582 tem trechos semelhantes ao projeto arquivado, mas abrange também a identidade de gênero e usa termos que podem gerar interpretações que colocarão em risco até mesmo entidades governamentais como as Forças Armadas, que já se posicionaram contra a proposta de Maria do Rosário.
Azevedo tem o mesmo pensamento do parecer técnico do Exército que enviou uma nota ao Congresso para criticar a proposta. Eles temem que com a aprovação da lei os homossexuais possam se assumir dentro dos quartéis, estando protegidos pela lei.
“Eu ainda acho que, na escolinha infantil ou no Exército, o Jurandir tem de ser Jurandir, e a Gislaine, Gislaine — independentemente do uso que cada um faça de seus aparelhos de prazer”, conclui Azevedo que entende que as “leis anti-homofobia, na forma que assumiram no Brasil, estimulam é a intolerância e a… homofobia porque acabam se apresentando como privilégios”.

Ativistas pró-maconha atrasaram aprovação do canabidiol, diz Magno Malta

O parlamentar evangélico foi a favor do uso da medicação que serve para tratamentos de doenças neurológicaO senador Magno Malta (PR-ES) foi o presidente da comissão do Senado que discutiu sobre a legalização do uso medicinal do canabidiol. O medicamento derivado da planta da maconha é usado para tratamentos de epilepsia e outras doenças neurológicas, mas sua prescrição estava impedida pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).
Malta se colocou a favor da liberação do medicamento e falou contra os ativistas que defendem a liberação da droga para fins recreativos dizendo que eles atrapalharam os trabalhos da comissão.
“Eles achavam que a liberação do canabidiol ajudaria na liberação do THC (substância psicoativa presente na resina da planta). Denunciei isso em plenário. Uso médico não tem a ver com uso de drogas”, disse o senador.
Magno Malta é contra a legalização da maconha e já conseguiu mais de 60 assinaturas de senadores que formarão um frente para impedir que a pauta seja aprovada no país.
Depois da decisão do Senado, a Anvisa liberou o uso do canabidiol para fins médicos, decisão comemorada pelo parlamentar. “Avançamos na questão, atendemos a quem precisa do tratamento. Foi um problema que se alongou desnecessariamente.”s

Missionários brasileiros são atacados na África

Protestos por causa de charges atinge Níger
Para quem mora no Brasil muitas vezes é difícil dimensionar as consequências de certas situações nos países muçulmanos. O Níger é um país pequeno da África e muito pobre. Mas lá trabalham dezenas de missionários brasileiros. Um dos ministérios mais conhecidos é o Guerreiros de Deus, do ex-paquito Alexandre Canhoni.
Entre sexta e sábado, pelo menos oito igrejas foram incendiadas após manifestações contra a publicação do semanário francês Charlie Hebdo de uma caricatura de Maomé.
Como ex-colônia francesa, ainda existe uma forte ligação cultural entre os dois países. Na capital Niamey e em Maradi o resultado foram 4 mortos e 45 feridos.  Em Zinder, segunda maior cidade do país, cerca de 300 cristãos estão debaixo de escolta militar. Segundo a imprensa, mais de 250 estavam escondidos em uma caverna.
Os tumultos em Niamey foram liderados por seis grupos de 200 a 300 manifestantes armados com paus, barras de ferro e picaretas. Eles gritavam palavras de ordem e clamavam o nome do profeta Maomé.
Embora muitos líderes muçulmanos tenham pedido calma, a violência se alastrou contra os cristãos. Há notícias que foram destruídos vários bares, hotéis, tabernas e lojas que pertencem a não muçulmanos ou empresários ligados a empresas francesas.
Entre os locais de culto cristão atingidos está a base do Guerreiros de Deus e a casa do missionário Alexandre. Ele e sua esposa Giovana fazem um trabalho com crianças. Pelo Facebook, postaram fotos da destruição e a mensagem: “Nossa base e casa foram atingidos. Quebraram tudo e queimaram. Saímos 5 minutos antes. Estamos bem. Nossos meninos estão bem graças a Deus. Alguns escondidos e com famílias. Ninguém dos nosso se machucou. Estamos orando pedindo uma direção de Deus”.
Embora a imprensa brasileira não tenha dado espaço para os acontecimentos envolvendo missionários brasileiros no Níger, sugiram vários movimentos de intercessão pelas redes sociais.

“Só Deus tira a vida”, diz Feliciano sobre morte de Marco Archer

Deputado lamentou a morte de traficante na Indonésia
A execução do brasileiro Marco Archer, que morreu fuzilado na Indonésia neste sábado gerou diferentes protestos de políticos e autoridades. A presidente Dilma mostrou sua indignação mandando chamar o embaixador brasileiro no país, uma forma conhecida na diplomacia para mostrar insatisfação. Vale lembrar que Dilma Rousseff nunca se manifestou pela vida de milhares de cristãos perseguidos e mortos, inclusive brasileiros, no Oriente Médio.
Por sua vez, o deputado federal pastor Marco Feliciano usou as redes sociais para se manifestar sobre o caso. Ele lembrou que em março de 2013, quando estava na presidência da Comissão de Direitos Humanos, foi ao consulado da Indonésia e pediu clemência por Marco Archer e outro brasileiro que está preso no país asiático. Os dois foram condenados à morte por terem feito tráfico de drogas, conforme a legislação do país.
Feliciano lembra que jornalistas o criticaram por que “direitos humanos era para minorias” e que o deputado estava perdendo tempo. Quando falou com embaixador, o deputado explica que a pena de morte ficou suspensa naquele ano por conta de sua intervenção. O argumento principal é que havia no Brasil traficantes de drogas da Indonésia presos pelo mesmo crime de Marco Archer.
O problema é que a nova presidência da comissão de direitos humanos, que assumiu em 2014 não deu continuidade às ações de Feliciano. Pelo contrário, arquivou todas elas. Para o deputado esse foi um erro que pode ter custado a vida de Archer. Lembrou ainda que a imprensa também falhou em não dar maior cobertura ao caso.
“Se a imprensa brasileira tivesse se mobilizado. Se a imprensa houvesse trabalhado sobre o assunto, movesse a nação talvez Marco Archer estaria vivo ainda. Eu apelei para o então ministro Antônio Patriota, apelei para o Itamarati e eles simplesmente ignoraram! A imprensa brasileira agora vende a matéria… Expõe sem limites o assassinato do brasileiro. Afinal parece que é isso que todos querem ver”, escreveu ele.
Para Marco Feliciano, embora Archer tenha errado, não merecia a pena de morte. “Só Deus dá a vida. Só Deus  tira a vida”, concluiu.

Pregador faz a “oração do WhatsApp” por celulares de fiéis

O clamor repreendia as notícias ruins e liberava os fiéis para receberem boas notícias
Cansado de receber notícia ruim pelo celular? Que tal conhecer a oração do zap zap? Foi com este nome que um vídeo publicado no Facebook atingiu a marca de mais de um milhão de visualizações.
Quem aparece orando por aparelhos celulares é o pregador Daniel Glória que pede aos fiéis que tragam os aparelhos e os deixem em uma mesa para receber a oração.
“Vamos orar para o seu celular só receber notícia de vitória”, diz ele incentivando os membros da pequena igreja – provavelmente de Belford Roxo (RJ) onde o religioso reside – a entrarem nessa corrente de oração.
“A notícia que vai vir pelo celular vai ser uma notícia doce”, afirma ele antes de iniciar a oração que repreende toda “notícia contrária” e “notícia ruim”.
A oração se tornou um viral pela forma como a oração termina: “Eu decreto que a vitória chegará no seu celular no zap, zap, zap”, disse Daniel Glória citando o aplicativo de mensagens instantânea WhatsApp.
Pela rede social os internautas tomavam posse da benção de receber notícias boas, enquanto outros gargalhavam da criatividade do religioso. Porém um grupo de críticos foi contra a pregação e falou até contra quem aceitava esse tipo de ensinamento.
Assista:
a

13 janeiro, 2015

“Morri, encontrei com Deus e ele me deu uma nova chance”, diz Andressa Urach

A modelo quase morreu após cirurgia para remover grandes quantidades de hidrogel injetadas em suas coxas
A modelo e apresentadora Andressa Urach (27) deu umaentrevista polêmica para o jornal britânico Daily Mail. É a primeira vez que ela fala sobre sua internação no final do ano passado. Ela sofreu várias intervenções cirúrgicas para retirada do hidrogel que usou em cirurgias plásticas.
Andressa esteve hospitalizada várias semanas no final do ano passado em Porto Alegre, onde mora. Segundo os médicos ela esteve perto da morte, devido as fortes reações do organismo, e ficará com cicatrizes profundas. Uma infeção grave que fez seus órgãos pararem de funcionar. Os médicos cogitaram amputar suas duas pernas.
O mais curioso sobre esse tempo no hospital é que a modelo afirma ter morrido e “encontrado seu criador”. Vice-miss bumbum em 2012, o passado dela é cheio de aparições controversas na mídia, tendo um caso com outra competidora do miss bumbum, depois sendo acusada de ser garota de programa. Ficou famosa na Europa ao afirmar que teve um caso com o jogador Cristiano Ronaldo. Protagonizou ainda brigas no reality show “A Fazenda”. Mas quando ela disse que estava “sendo punida por Deus”, relata que foi por sua “obsessão” pela boa forma e “vaidade estúpida”.
“Sei que deixei o meu corpo e morri. Cheguei até um lugar vazio, tipo um deserto, completamente silencioso. Foi então que soube que Deus existe. Senti sua presença. Soube que estava em um julgamento”, relatou ao jornal.
“Vi os espíritos da morte me circulando”
Disse ainda o que aconteceu em seguida. “Eu chamei Deus, pedindo-lhe para me dar uma segunda chance. Eu pedi perdão e pedi que ele me enviasse de volta à vida, para o bem do meu filho. Foi quando eu acordei, já na cama do hospital de novo. Mas não era o fim. Naquela noite, eu vi algo horrível, os espíritos da morte me circulando. Eles eram como nuvens negras, mas sob a forma de espíritos, e ouvi gritos. Um deles era mais preto do que os outros e eu sabia que era a morte que vinha para a minha alma. Lembro-me de entrar em pânico e gritar para minha mãe, pedindo-lhe para me ajudar, porque eu ia morrer”.
Ela descreve sua experiência: “Minha vida passou diante dos meus olhos como um filme. Senti muita vergonha e sabia que não era digna de entrar no céu. Pedi perdão e implorei por outra chance. Prometi fazer reparos. Nunca esquecerei disso. Ficar cara a cara com a morte me fez entender que nada mais importava, minha beleza, minhas bolsas, minhas roupas, meu carro… Deixei tudo para trás”.
Durante os dias em que esteve internada, a mãe de Andressa, Marisete, pediu que um pastor de sua igreja orasse pela filha. “Foi o dia que Deus me deu uma nova chance na vida. Foi em 3 dezembro, e agora todos os anos vamos comemorar meus dois aniversários, 11 de outubro, quando eu nasci, e agora 3 de dezembro, quando eu nasci de novo. Foi quando meu segundo milagre aconteceu. Um dia, a minha mãe tinha ido à igreja e eu estava sozinha. Lembrei-me de algo que o pastor havia me dito, que eu poderia reivindicar a minha cura se eu realmente acreditasse. Então eu orei a Deus e afirmei que gostaria de estar melhor em sete dias. Eu comecei a ficar melhor, surpreendendo a todos os médicos. E então, exatamente sete dias depois, recebi alta do hospital e voltei para casa”, explicou a modelo, que disse ter ficado deprimida no início de sua recuperação.
Sobre essa experiência de quase morte tira uma lição “Esse foi o momento em que percebi que não era nada. Estamos neste mundo apenas para salvar nossas almas”. Também pretende dar mais tempo para seu filho Arthur (9), que teve aos 16 anos de idade.
Realmente, após sair da UTI e recobrar a consciência, Andressa passou a usar seus perfis nas redes sociais para pedir perdão a pessoas que feriu e exibir mensagens religiosas.  Contratada pela Rede TV, ela não disse se (e quando) voltaria a trabalhar. Ela continua numa cadeira de rodas e faz tratamento intensivo para combater infecções.
Ao Daily Mail, afirmou que desejava voltar no tempo e “fazer as coisas diferentes”. Agora afirma que pretende dedicar-se a alertar outras mulheres sobre os riscos de cirurgias como as que ela fez. Entre seus planos estava remover costelas para ter uma cintura menor e cogitava retirar um dedo do pé para que ele ficasse mais fino. “Você acredita nisso? Por isso acho que o que aconteceu comigo foi Deus me dizendo para parar”.
Confessando ser obcecada por cirurgias plásticas desde criança, agora sobram   arrependimentos. “Ninguém sabe pelo que estou passando. Estou em agonia constante. Continuo no meio de um pesadelo terrível… Se tudo isso servir de exemplo para mostrar as pessoas os perigos destas coisas, salvar outras mulheres de uma morte prematura, então foi essa a razão de eu ter passado por isso”, encerra.

Exército critica novo projeto de lei contra homofobia

A proposta poder trazer reflexos negativos para as Forças Armadas
O projeto de lei apresentado pela deputada Maria do Rosário (PT-RS) para criminalizar a homofobia foi criticado pelo Exército através de um parecer enviado à Câmara.
O texto assinado pela assessoria parlamentar do gabinete do comandante Enzo Peri, que recentemente deixou o comando do Exército, é uma nota técnica de especialistas em direito que entendem a proposta de Rosário como um projeto que trará “reflexos negativos” ao órgão.
“A instituição é contra qualquer tipo de agressão ou violação a direitos humanos (…) no entanto, considerando as imprecisões contidas na proposta apresentada, (…) pode trazer efeitos indesejáveis para a Força”, diztrecho do texto destacado pela Folha de São Paulo.
Para a assessoria técnica do Exército, os argumentos apresentados no projeto de lei são genéricos e podem conduzir o aplicador da lei a uma “subjetividade”.
Um dos trechos do projeto da deputada petista determina como crime de ódio o “impedimento de acesso de pessoa a cargo ou emprego público, ou sua promoção funcional sem justificativa nos parâmetros legalmente estabelecidos, constituindo discriminação”.
Sobre este trecho o Exército entende que afetaria de forma negativa as “repercussões contundentes nas esferas operacional, disciplinar, administrativa e do ensino”.
Defensores do projeto ouvidos pela Folha acreditam que as Forças Armadas estejam com medo de a proposta ser aprovada e com a lei incentivar que os homossexuais se assumam nos quarteis sem sofrerem eventuais punições.
A proposta vai ser analisada pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara e tem aval do governo Dilma Rousseff para ser aprovada e se tornar lei. Esse foi um dos compromissos feitos pela presidente reeleita a entidades de defesa da comunidade LGBT.

Lideranças do Islã incentivaram ataques na França, diz Malafaia

O pastor evangélico condenou os atentados e falou sobre a liberdade religiosa
Em seu Twitter o pastor Silas Malafaia comentou os atentados na Franças dizendo que a liderança do Islã no Qatar e Irã teriam incentivado as ações terroristas na revista Charlie Hebdo.
“Os atentados na França não foram produzidos por atos isolados, foram incentivados pela liderança do Islã no Qatar, Irã”, escreveu.
Malafaia contestava as afirmações de que o islamismo é uma religião de paz. “Se os líderes do Islã pregam a liberdade religiosa, por que as nações onde são religião oficial não permitem as outras religiões?”, questiona.
Em outro tuíte, o líder da igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo lembra que em todos os países onde o islã é a religião oficial as demais crenças são perseguidas, controladas e cerceadas.
Defendendo a liberdade religiosa, o evangélico afirmou que não é possível impor uma crença para a sociedade. “Servir a Deus é um ato voluntário, Deus não aceita adoração imposta pelos outros, impor servir a Deus é um ato produzido por alienados.”
Malafaia acredita que as discussões religiosas devem ficar apenas no campo das ideias, mas que não devem se tornar em agressões físicas. “O que os camaradas do jornal Charlie Hebdo já publicaram satirizando Cristo e a Trindade, infinitamente superior sobre as de Maomé”, escreveu.
A publicação francesa tratava continuamente de assuntos políticos e religiosos, as sátiras chegavam muitas vezes a serem desrespeitosas colocando líderes e personagens religiosos em posições homoeróticas e outras situações vexatórias.

31 dezembro, 2014

Pastor doa pães todas as semanas para projeto social

Ele é dono de uma padaria em Manaus e participa do projeto Mesa Brasil há dez anos
O padeiro José Antero de Souza, 43 anos, mora em Manaus e se tornou destaque na imprensa local por conta de um trabalho social que ele realiza todas as semanas em parceria com o Serviço Social do Comércio (SESC) distribuindo 1.200 pães para famílias carentes.
José é pastor de uma Igreja Batista e participa do projeto Mesa Brasil há dez anos fazendo doações de pães e servindo a  comunidade. “Esse trabalho eu já faço há dez anos, dois antes de ser evangélico. O que me deixa gratificado é saber que o projeto Mesa Brasil trabalha com pessoas carentes e mais necessitadas e que a gente contribui para isso”.
O padeiro se mostra grato a Deus por tudo o que tem recebido e diz que o trabalho social não é uma troca. “Não é uma troca com Deus. Ele já tem me dado tanta coisa boa desde que eu nasci. Se você ajuda de coração não fica preocupado em ter retornos, embora Deus não deixe de lhe abençoar sempre, ajudando ou não”.
O evangélico é dono da panificadora La Fornata, a primeira empresa a aderir ao projeto do SESC que funciona como um banco de alimentos contra a fome e o desperdício.
A padaria de José Antero começou a ajudar o projeto reaproveitando produtos e hoje consegue produzir pães especificamente para o Mesa Brasil, uma doação que representa 25% do que é vendido na panificadora todos os dias.
“Tudo neste mundo gira em torno da palavra amor, que para muitos é um sentimento esquecido. Se nós amássemos mais o próximo, se nos preocupássemos mais com as pessoas, o mundo seria bem melhor”, diz o pastor empresário em entrevista ao jornal A Crítica.

Senador Magno Malta estranha corte de suas falas

O parlamentar evangélico pediu que o presidente do Senado tome providências quanto a isso
O senador Magno Malta (PR-ES) teve algumas partes de sua fala cortada em alguns pronunciamentos no Plenário. No dia 16 de dezembro sua fala na sessão teve vários cortes e o parlamentar precisou pedir providências ao presidente do Senado Renan Calheiros.
“Espero providências, pois isto é um acinte, é um desrespeito, e quero saber as razões pelas quais a minha fala foi cortada. Advirto e reafirmo ao Brasil que vou continuar lutando pelos interesses deste país e daqueles que precisam de nós”, disse.
O mesmo aconteceu durante a audiência pública sobre a legalização da maconha, segundo o senador nada do que ele disse foi ouvido pelos participantes. Durante o debate ele denunciou que movimentos ligados a legalização das drogas em vários países estão associados ao investidor George Soros.
Magno Malta também criticou que parte da fala da senadora Lídice da Mata, durante a sessão no Plenário, também foi cortada. Essa não é a primeira vez que a falha no áudio prejudica o senador, em outubro ele criticava a presidente Dilma Rousseff e o áudio da TV Senado também cortou várias partes do discurso.

Kaká e Carol Celico reatam casamento

O casal ficou separado por mais de um mês, os motivos não foram revelados
Na madrugada desta terça-feira (30) o jogador Kaká e a socialite Carol Celico postaram uma foto nas redes sociais mostrando que eles reataram o casamento.
Foram mais de 30 dias separados até que eles resolveram dar uma nova chance para o relacionamento que dura mais de 12 anos. Na legenda da foto Carol escreveu em inglês a frase “felizes para sempre” mostrando um momento de carinho entre eles.
O jogador copiou a mesma imagem e anunciou aos seus fãs de todo o mundo que eles estão juntos e que assim pretendem ficar para sempre.
Os rumores da separação foram difundidos na imprensa desde junho, mas ambos negavam qualquer tipo de crise no casamento até que em novembro uma pequena nota confirmou que eles estavam se separando. Inclusive as exigências judiciais a respeito da guarda das crianças foi publicada por sites e jornais de celebridades.
O casal e os dois filhos, Luca, 5 anos, e Isabela, 3, estão viajando para comemorar o Ano Novo e pelo Instagram mostram que estão juntos desde o Natal quando a família de Kaká e Carol Celico celebram o nascimento de Jesus em uma reunião íntima.